O grande perigo

O presidente Temer, dando sequência aos governos do PT, mantém as fronteiras abertas para pessoas de qualquer país que queiram por aqui passar ou ficar. Isto não seria nada de anormal, se houvessem algumas normas que exigissem certos direitos e deveres.

Como este país não tem uma cabeça pensante há muito tempo, as fronteiras imensas por terra e por mar permitem que entrem no país quem quiser e por onde entender. Já dentro das fronteiras, recebem o mínimo necessário para a sobrevivência, sem qualquer tipo de exigência que um país civilizado teria.

Os venezuelanos estão vindo para cá aos montões. Incrivelmente, e não se sabe como, até cubanos têm entrado pela fronteira com a Venezuela, engrossando a quantia de desempregados do país, que por aqui já ronda a casa dos 13 milhões.

Isso também não seria nada, se no meio dessa turma, incluindo até bolivianos, não viesse a turma do “quanto pior, melhor”.

No meio dessa turma, ronda o perigo. Muitos deles recebem identidade, visto provisório/permanente e estão prontos para engrossar as fileiras do MST, do MTST e de outros movimentos similares que cresceram por obra de Lula. Essa turma ainda está desarmada de bombas e metralhadoras, mas, com a cabeça cheia de porcaria, pronta para o que der e vier no futuro.

Mas isso é nada perto do que a senadora Gleisi Hoffmann fez nesta semana, quando gravou um vídeo que foi ao ar através da emissora Al Jazeera. Está na internet, com áudio e imagem, a senadora “denunciando” ao povo árabe a prisão do poderoso chefão, a quem classificou de “preso político”.

Na gravação, Gleisi, além de uma denúncia infundada, conclama a todos para ajudar Lula, mostrando que as fronteiras estão abertas. Destaca ainda que ele foi o único presidente brasileiro a visitar a Palestina, que vive em briga com Israel.

— Lula foi condenado por juízes parciais num processo ilegal. Não há nenhuma prova de culpa, apenas acusações falsas — disse a senadora. Para ela, o ex-presidente é vítima de uma “campanha de mentiras” da TV Globo.

Ainda segundo a senadora, a “maioria do povo brasileiro quer viver como nos tempos de Lula”. Afirma a petista que “o objetivo da prisão ilegal é não permitir que Lula seja candidato”.

O vídeo da senadora insemina o ódio e pode gerar desordens. Além disso, contraria a própria história da petista, que um dia, acreditem, pensou até em ser freira.

É um retrato do que tem acontecido no país, a partir da ascensão ao poder da esquerda no Brasil, agora liderada pelo ex-presidente. O grande perigo de tudo isto, é a confusão que os movimentos, agora sem dinheiro, podem ainda fazer. O resultado? Quem viver, verá.

 

Comentários
×