O futebol e o coronavírus

José Carlos de Oliveira

Num momento de turbulência, que afeta todo o mundo, em todos os segmentos da sociedade, com a pandemia do Covid-19 assustando a população e levando medo e terror aos quatro cantos do planeta, também o esporte vive o drama e terá que se reinventar para driblar a crise, e seguir seu rumo encantando, levando alegria às multidões.

Futebol

E no Brasil não poderia ser diferente, por aqui o drama também é enorme. E no futebol, de onde ninguém espera grandes coisas, acostumados que estão em ver os dirigentes olhando sempre para o próprio umbigo, vem o exemplo, com campeonatos sendo suspensos e jogadores liberados pelos clubes por tempo indeterminado. Até quando, somente Deus sabe.

Quem perde...

...e quem ganha

A crise na saúde é séria e não é hora de olhar para quem perderá ou quem se dará melhor quando a bola voltar, mas esta é uma verdade que todos terão que conviver daqui algum tempo. Uns podem até se dar bem com esta parada, enquanto outros perderão o embalo, o ritmo. Assim é no esporte, em que um tempo parado pode representar muito na preparação dos atletas.

Mineiros

Aqui para as bandas das Minas Gerais não é diferente, e quem mais tem mais a perder com o tempo parado são Tombense e América, que estavam no embalo e com certeza perderão o ritmo para quando a bola voltar a rolar, se é que volta ainda neste ano. Já Atlético e Cruzeiro comemoram este tempo sem jogos, quando poderão armar melhor seus times para a reta final do estadual e para os outros compromissos do ano.

Se dará ou não “samba”, só o futuro dirá!!!

Guarani ganha um tempo

Ainda sobre as semanas em que não serão disputados jogos pelos estaduais, o tempo também é de reflexão pelo lado do Guarani, de como fazer para aproveitar este período sem compromissos oficiais, para retomar sua caminhada rumo à classificação entre os quatro finalistas do Módulo II.

Depois de uma boa arrancada nas primeiras rodadas, o time caiu de produção nas últimas partidas e a cobrança já começa por parte de muitos torcedores. Agora, com um tempo sem jogos, a esperança que fica é que Wantuil Rodrigues encontre soluções para os problemas da equipe e o time reencontre enfim o caminho das vitórias nos duelos finais da fase de classificação do Mineiro.

 

Protestos da China Azul

E a vida do torcedor celeste não anda nada fácil. Quando parece que o clube reencontra o rumo, vai tudo ladeira abaixo e os vexames voltam a assustar o mundo azul. E não dá para ficar pior do que está. Ou dá?

Não sei, não. Ou os dirigentes param com esta briga política, ou o buraco em que a Raposa se meteu se alargará ainda mais. O fundo do poço é logo ali. 

Torcida azul dá o recado aos dirigentes

 

E as faixas que os torcedores espalharam por toda Belo Horizonte nesta semana dão o tom daquilo que esperam dos dirigentes: que tirem a bunda da cadeira e tratem de trabalhar pelo bem de clube, e não por interesses pessoais.

A mensagem aos dois concorrentes à presidência do Cruzeiro é clara: "Sérgio (Rodrigues) e Emílio (Brandi), estamos de olho. Ninguém da quadrilha União pode ter espaço no Cruzeiro. Fazem parte da destruição e não da reconstrução".

Com eleição “tampão” marcada para o mês de maio, a China Azul quer soluções para os problemas do time, e não assistir a embates políticos de pessoas que só olham para o próprio umbigo. E estamos conversados.

Comentários
×