O fim da picada

Elmo Fernandes 

A expressão "o fim da picada" é usada para descrever situações fora do comum que são ruins, uma coisa que não deveria ocorrer. Algo é considerado "o fim da picada" quando é desagradável, inconveniente, que incomoda as pessoas.

Fim da picada também pode significar o fim de um caminho.

De onde surgiu a expressão "fim da picada"?

Picada é uma trilha feita por quem ingressa na mata, geralmente a facão, para facilitar a passagem e marcar o caminho de regresso.

Quando uma pessoa desaparece, fica mais fácil encontrá-la seguindo a picada. No entanto, se chegarem ao fim da picada e o desaparecido não for encontrado, quer dizer que as pessoas que estão a procurando correm risco, pois quem o atacou deve ter o feito naquele lugar, pois senão a picada teria continuado.

De acordo com essa ideia, quem está no mesmo lugar onde aconteceu tal ataque corre o mesmo risco que o desaparecido, e, por isso, a expressão "o fim da picada" é usada para falar de alguma situação ruim.

Curiosidades


Futebol não é para brasileiro

O escritor Graciliano Ramos reagiu assim, em 1921, quando o futebol engatinhava no Brasil:

“Pensa-se em introduzir o futebol nesta terra. É uma lembrança que, certamente, será bem recebida pelo público, que, de ordinário, adora as novidades. Vai ser por algum tempo, a maluqueira ideia fixa de muita gente. Vai haver por aí uma excitação, um furor dos demônios, num entusiasmo de fogo de palha capaz de durar bem um mês.

Não seria, por ventura, melhor exercitar-se a mocidade em jogos nacionais, sem mescla de estrangeirismo, o murro, o cacete, a faca de ponta, por exemplo?

E a rasteira! Esta, sim, é o esporte nacional por excelência! Todos nós vivemos mais ou menos a atirar rasteiras uns aos outros. Logo na aula primária, habituamo-nos a apelar para as pernas quando nos falta confiança no cérebro, e a rasteira nos salva. No comércio, na indústria, nas letras e nas artes, no jornalismo, no teatro, nas cavações, a rasteira triunfa...

E se algum de vocês tiver a vocação para a política, então, sim, é a certeza plena de vencer com o auxílio dela. É aí que ela culmina”. (Almanaque Santa Cruz, 1988)

Reflexão bíblica

“Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus.
E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os seus corações e as suas mentes em Cristo Jesus.”  Filipenses 4:6,7

Reflexão da semana

“As pessoas foram criadas para serem amadas e as coisas feitas para serem usadas. A razão pela qual o mundo está um caos é porque as coisas estão sendo amadas e as pessoas estão sendo usadas.” (Autor desconhecido)

Ria... Por favor!!!

Certo dia um cavalo cai num buraco e quebra a pata. O porco escuta uma conversa entre o dono do cavalo e o veterinário, que se o cavalo não melhorasse iriam sacrificá-lo.

Então o porquinho avisou o cavalo...

— Tente se levantar! Sua vida corre perigo

Quando chegou o dia de matar o cavalo, ele melhorou... O dono, ao ver que seu cavalo havia se recuperado, disse:

— Vamos matar o porco para comemorar!

— Ah, mizerávi!

Moral da história:

Nunca ajude um filho de uma égua!

Das pérolas de Minas
Só mineiro entende:
“Acho mió eu tomá um negóçu, sinão esse friu vai me dá um troço e vô caba tenu um trêm pior”.

Máximas do Professor Carlinhos

  • Um mendigo, bem “dirrubadão”, maltrapilho, se aproxima daquela dondoca, loiraça, linda que só vendo, cheia de sacolas de marcas contendo suas compras recentes, e choraminga:

— Madame... Me ajuda: estou sem comer já faz três dias.

— Noooossa mãe (diz ela) — como eu gostaria de ter a sua força de vontade.

  • A vovó, energicamente, repreende o neto:

— Marquinho, por que você jogou uma pedra na cabeça do seu irmão?

— Ah, vovó... Ele me beliscou com força.

— E por que você não me chamou na hora?

— Pra quê? A senhora não iria acertar ele de jeito nenhum.

 

Comentários
×