O efeito Bolsonaro

Nesta quinta-feira, foi a vez de Bolsonaro visitar BH e ser recebido no aeroporto da mesma forma que vem acontecendo por onde ele passa. Uma festa só, o candidato sendo carregado com os gritos de “mito”, com as pessoas de todas as idades chegando para fotos, tentando uma conversa, pegando um autógrafo etc. Confesso não me lembrar da última vez que vi um político ser carregado neste país, bem antes de uma disputa e confessadamente sem dinheiro para pagar ninguém para recebê-lo. 

Os outros... 

...candidatos apenas observam, pois tirando Marina Silva, todos os outros não têm muita coragem de viajar nos aviões de linhas tradicionais, pois as vaias e o xingamento sempre acontecem. A candidata pode fazer isto, pois, como diz o mineiro, “não fede e nem cheira”, embora seja declaradamente uma mensageira do petismo e será certamente apoiada pelos ainda admiradores de Lula. Assim, enquanto todos os outros que já são, ou que serão candidatos e que têm um certo nome viajam de jatinhos, Bolsonaro vai de avião de carreira, colhendo os frutos do seu discurso de consertar o país, acabando com a roubalheira e dando a cada um dos brasileiros, dentro de certas normas, condições de se defender e de defender o que é seu, sua propriedade etc. 

Apoio importante 

Depois de uma palestra e uma sabatina na CDL, Bolsonaro deu entrevistas a várias rádios da capital e do interior, e foi se encontrar com o prefeito da capital, Alexandre Kalil (PHS). Este já vinha falando em apoiar o deputado já faz algum tempo, mas, depois das quase duas horas de papo, foi sacramentado o acordo e o apoio de todo o seu séquito municipal. Kalil tem feito o que prometeu em campanha: não se enquadrou dentro de nenhum partido, fez nomeações pontuais apenas por capacidade e tem levado o seu governo sem qualquer problema. Tanto ele quanto o presidenciável se afinam neste aspecto, pois tanto uma prefeitura quanto um governo presidencial tem de ser levado em cima do risco traçado. Não abrindo mão para a gatunagem e nem para o desvario, tudo tende a dar certo. 

Eu sei... 

...que alguns leitores (poucos acredito) irão torcer o nariz para estes comentários, mas é bom que se preste bastante atenção, pois não existe por aqui nenhum juízo de razão, apenas comentários coletados junto a pessoas de diversas matizes políticas que estiveram em BH na quinta-feira. O momento é de Bolsonaro, mesmo porque Lula já foi abandonado até pelo seu partido, pois já não existe mais dinheiro nem vontade de qualquer pessoa em arriscar alguma coisa no partido e nos políticos que arrebentaram com o país nos últimos 15 anos. 

Por aqui... 

...o vereador Edson Sousa (MDB) está às voltas com os processos que a toda semana protocola contra o dono do blog Divinews, que o estaria perseguindo. Na Tribuna, de onde pode falar o que lhe der na telha, o vereador não tem meias palavras e esbraveja constantemente que irá colocar o cara do Rio de Janeiro em seu devido lugar. Só que Edson faz parte de um time bem grande de pessoas que processaram o dono do blog, com decisões finais de segunda instância em andamento. Pelo que se sabe, por enquanto, apenas o presidente da Câmara e o prefeito Galileu (MDB) têm bancado o “amigo” de Edson: o primeiro com uma verba que teria passado de R$ 50 mil e o segundo com um emprego para a sua esposa. Todo mundo sabia que o caldo estava engrossando... 

Comentários
×