O desejo

Editorial

Segundo a Bíblia Sagrada, há 2020 anos, a Estrela de Belém guiou os três reis magos ao recém-nascido menino Jesus a fim de adorá-lo e oferecer-lhe presentes. Conta o livro que, com o nascimento de Cristo, alguns magos do Oriente viram uma estrela e foram guiados por ela até o local onde estava o menino Jesus em sua manjedoura. Hoje, 2020 anos depois, diante da situação que a humanidade vive, a sensação que se tem é que os seres humanos nunca precisaram tanto de uma Estrela de Belém quanto agora. A humanidade nunca precisou de algo ou alguém que aponte o caminho certo a se seguir como agora. Pandemia, paixão por política, falta de raciocínio, de consciência de classe, governantes que só governam para os ricos, falta de empatia, de responsabilidade e amor ao próximo marcaram o ano. Sem sombra de dúvidas, 2020 foi um ano exaustivo, e não há nenhum ser humano nesta terra capaz de dizer que saiu ileso de tudo isso. 

As eleições municipais no Brasil foram marcadas pela paixão. A população rompeu o limite entre raciocínio e o fascínio e trilhou caminhos perigosos. Caminhos esses que já eram flertados por parte do povo há um tempo, mas faltava alguém para “encabeçar” a trilha. Os vídeos e as redes sociais foram a gota d’água para que este limite se rompesse. E a receita do caos foi completada com uma pandemia. Para enfrentá-la era necessário ter empatia, responsabilidade e amor ao próximo. Infelizmente essas são algumas características que várias pessoas simplesmente não têm. População apaixonada, desenvolvendo a cada dia mais fascínio por políticos, mídias sociais, marketing político, vídeos, opiniões por todos os lados, pandemia e falta dos sentimentos mais nobres. Essa foi a combinação perfeita para levar alguns à loucura, e outros a desejarem uma Estrela de Belém para guiar a humanidade no próximo ano. 

O desejo para este Natal é que Jesus traga responsabilidade, empatia, amor ao próximo, consciência de classe, menos paixão por política, mais capacidade de raciocínio, mais ciência, mais fatos, menos notícias falsas. A humanidade nunca precisou disso quanto agora. Nunca esteve tão carente disso tudo quanto agora. Ninguém, mas absolutamente ninguém, aguenta mais um ano como 2020. A mudança de postura, de comportamento é primordial, ela é, neste momento, questão de sobrevivência. O que o ser humano mais precisa é de um rumo, um caminho a seguir, que não leve ao suicídio coletivo. Os desejos para o novo ano é que o povo tenha o básico para sobreviver a tudo isso. Que os governantes tenham postura de governantes e se atentem que estão representando um povo calejado, e que este povo precisa mais que vídeo em rede social, e discurso bonito. O povo precisa de uma Estrela de Belém. 

O desejo é este, empatia, responsabilidade, consciência de classe, raciocínio e amor ao próximo, além de paz, saúde e, claro, vacina. Que 2021 traga a tão sonhada e esperada vacina, e um caminho certo a seguir. Só isso e o resto a gente vê o que faz. 

Comentários
×