Novembro fecha positivo na abertura de empresas

Crescimento foi de 58%; j√° no fechamento a queda chegou a 36%

Da Redação 

O fim do ano se aproxima e com ele, meses de pandemia, que ainda não acabou. No entanto,  mesmo com algumas incertezas no mercado econômico mundial, novembro fecha com saldo positivo na abertura de empresas em Divinópolis.

Dados da Junta Comercial do Estado de Minas Gerais (Jucemg) apontam que, neste ano, novembro foi o mês com o maior número de abertura de empreendimentos, 82, e o menor número de fechamentos, 41. Os números mostram 58% de crescimento na constituição de novas empresas e 36% de queda no fechamento, em novembro. 

Pelo terceiro mês seguido, a quantidade de empresas constituídas superou, consideravelmente, o número de fechadas. Já outubro e novembro registram os menores números de empresas extintas em 2020.

— Um fator que impulsionou o aumento de abertura de novas empresas foi o alto índice de desemprego. O empreendedorismo é com certeza o sonho de muitos. E, neste contexto, algumas pessoas, ao perder o emprego devido à crise, decidiram montar o próprio negócio. Partir para um negócio próprio, para muitos, é a única alternativa de uma fonte de geração de renda. Muita gente tem como desafio o capital escasso e dificuldades em acesso a linhas de crédito, mas conta com abundância de criatividade e inovação — avaliou a presidente da Associação Comercial e Industrial de Divinópolis (Acid),    Alexandra Galvão.

Números

De janeiro a novembro, Divinópolis registrou 629 empresas extintas contra 668 abertas, resultando num saldo positivo de 39, no acumulado do ano. Porém, em comparação ao mesmo período de 2019, a cidade apresentou uma queda de 4% na constituição de novas firmas e um aumento de 18% no fechamento.

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Divinópolis, Luiz Angelo Gonçalves, os dados apontam uma tendência de melhora no cenário econômico. 

— Avaliamos positivamente os dados, mostrando uma recuperação da economia na cidade. Mesmo que ainda tenhamos um saldo abaixo do ano passado, a recuperação está acontecendo, após todos os problemas que enfrentamos em 2020. Tivemos quatro meses consecutivos de saldo positivo, gerando também uma positividade no acumulado do ano. Os dados mostram que, com a abertura do comércio, um funcionamento próximo da normalidade gera uma certeza, estabilidade e perspectiva, propicia uma certa segurança aos empresários e possibilidade de abertura ou expansão dos negócios — define Luiz Angelo.

De acordo com dados do Ministério da Economia, neste ano, os segmentos que mais contribuíram para abertura de novos negócios na cidade foram: comércio varejista, obras de alvenaria, cabeleireiros, manicures e pedicures, promoção de vendas e transportes rodoviários. Dentre as principais cidades de Minas Gerais, Divinópolis foi o município que apresentou o menor saldo acumulado de empresas constituídas em comparação ao número de empreendimentos fechados em 2020.

Minas Gerais 

No estado, as cidades com os melhores saldos na abertura de novos negócios foram: Belo Horizonte, com 5.254; Uberlândia, 1.141; e Contagem, com 395. Considerando todos os principais municípios, também houve um saldo de empresas constituídas superior ao número de fechamentos, 25.282 e 16.930, respectivamente. Deve-se destacar que os dados da Jucemg não abrangem os MEIs.

Brasil 

De acordo com o Ministério da Economia, no Brasil, havia 19.744.641 empresas ativas em novembro de 2020, 202.040 a mais do que em outubro. Foram constituídas 297.810 e extintas 88.638, considerando todos os tipos de empresas, matrizes, filiais e microempreendedores individuais (MEI).

A maior parte das empresas abertas pertence ao setor terciário da economia, relativo ao comércio e à prestação de serviços, que representa mais de 80% dos empreendimentos ativos no país. Dentre as atividades destacam-se: comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios, promoção de vendas, cabeleireiros, manicure e pedicure.

Coment√°rios
×