Novas suspeitas de febre maculosa voltam a assombrar população

 

Maria Tereza Oliveira

Mais dois casos de febre maculosa são investigados pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). Destas vez, duas crianças com idades de dois anos e meio e dez anos tiveram amostras de sangue colhidas e enviadas à Fundação Ezequiel Dias (Funed), em Belo Horizonte, para análise.

Divinópolis é a cidade com maior número de casos no estado, com quatro confirmados, fora as duas crianças que estão internadas que deram entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) com os da febre.

Além desses casos, também tem uma criança de oito anos que esteve internada no mês passado, teve a doença constada, mas está bem. A mãe procurou ajuda médica no início dos sintomas.

Mortes

Na cidade, três pessoas morreram neste ano, vítimas de febre. A primeira morte foi a de uma jovem de 24 anos, no dia 1º de julho.

Depois dela, um idoso de 81 morreu no dia 24 do mesmo mês.

A última morte ocorreu último dia 4. Um senhor de 63 anos, deu entrada na UPA, mas foi transferido para a Sala Vermelha do Complexo de Saúde São João de Deus, onde morreu.

Todas as três vítimas fatais estiveram no Parque da Ilha dias antes de terem os primeiros sintomas. 

Lugares interditados

Vigilância em Saúde do Município orienta os estabelecimentos, principalmente nas proximidades do rio Itapecerica, a realizarem dedetizações contra o carrapato transmissor da febre maculosa. Campos de futebol, associações e centros de treinamentos foram orientados a suspenderem as atividades.

Até o momento, três campos foram advertidos a suspenderem suas atividades para prevenção à doença, sendo eles, Flamengo Esporte Clube, Estádio Waldemar Teixeira de Faria e Associação Atlética Danilo Passos.

As atividades no Parque da Ilha, assim como no espaço dos Escoteiros Frei Leão Rodrigues também foram suspensas.

Além destes locais, outros quatro espaços — Associação Atlética Banco do Brasil, Divinópolis Clube, Clube dos Servidores Municipais (CSM) e Centro de Treinamento do 10º Batalhão de Bombeiros Militar de Minas Gerais (BBM) — foram notificados para suspenderem as atividades, entretanto, o período de suspensão é somente nos campos de futebol.

De acordo com a Vigilância, os campos do Bom Sucesso e da Gecol também serão notificados para suspender as atividades.

Na última sexta, 7, foram dedetizados Sala Verde, Escola Municipal Oribes Batista Leite e Centro de Treinamentos do 10º BBM, além de duas residências no bairro Belvedere e outra no bairro Dom Pedro II.

Hoje, a Vigilância realiza ação de dedetização, a partir das 8h, no Prolongamento Bom Pastor na rua Santa Maria próximo ao número 50.

Escolas

Todos os professores da rede municipal receberam orientação da Secretaria de Saúde para verificarem a pele das crianças.

Educadores encontraram um carrapato em uma criança no Centro Municipal Educacional Infantil (Cemei) Rafael Nunes no bairro Santa Lúcia. A instituição passou por dedetização.

A Semusa também dedetizou a Escola Municipal Oribes Batista Leite, no Bairro Planalto, na última sexta, 7. Na semana passada, professores acharam carrapatos em quatro alunos. Uma servente também estava com o parasita.

A Escola Municipal Darcy Ribeiro foi outra escola que passou por duas dedetizações por estar ao lado do Parque da Ilha, local com acesso restrito ao público. O educandário teve as aulas suspensas no último dia 3. Enquanto o local permanece fechado por período indeterminado. Ontem, os alunos voltaram às aulas por meio de coabitação com a Escola Estadual São Vicente em dois turnos.

Conscientização

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação (Semed), é importante que pais e responsáveis fiquem atentos. Apesar da área de maior preocupação estar condicionada ao Parque da Ilha, os carrapatos podem estar em toda parte, sendo  necessária a verificação permanente.

A Semusa reforça o trabalho educativo sobre os perigos da febre maculosa, distribuindo panfletos e cartazes nas áreas consideradas críticas e interditando locais com focos e passíveis a infestação do carrapato-estrela.

As principais hospedeiras dos parasitas transmissores da febre são as capivaras. Entretanto, eles também podem ser encontrados em outros animais como cavalos, gatos, cachorros, no gado e etc.

Febre maculosa

A febre maculosa brasileira, também conhecida como febre do carrapato é causada pela bactéria Rickettsia rickettsii. Ela é transmitida ao homem pela picada de carrapatos infectados, principalmente os popularmente conhecidos como carrapato-estrela. Embora casos da doença possam ocorrer durante todo o ano, é no período seco, especialmente entre os meses de junho e novembro, que eles ocorrem com maior frequência.

Os principais sintomas são febre acima de 39ºC e calafrios, dor de cabeça intensa, conjuntivite, náuseas e vômitos, diarreia e a dor abdominal, dor muscular constante, insônia e dificuldade para descansar, inchaço e vermelhidão nas palmas das mãos e sola dos pés, gangrena nos dedos e orelhas, paralisia dos membros que inicia nas pernas e vai subindo até os pulmões causando paragem respiratória.

O tratamento deve ser iniciado até cinco dias após o aparecimento dos sintomas, sendo, normalmente, feito com a ingestão de antibióticos. A falta de tratamento pode afetar o sistema nervoso central e causar encefalite, confusão mental, delírios, convulsões e coma.

 

Comentários
×