Notificações de dengue desaceleram

 

Matheus Augusto

Após meses de preocupação, os casos suspeitos de dengue têm aparecido em menor número nas unidades de saúde e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Os dados divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) ontem apontam a cidade com 4.498 notificações da doença. Dessas, 3.143 já foram confirmados, o que representa uma média de 14 por dia, enquanto 1.026 continuam em análise e 329 foram descartados.

Os números comprovam o aparecimento de 41 novas suspeitas em uma semana. Além disso, neste mesmo período, a secretaria confirmou 215 casos que estavam sendo analisados.

Em todo o ano de 2018, somente 77 casos foram confirmados na cidade.

Mês a mês

No acompanhamento mensal, através do boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), é possível perceber a redução de novas suspeitas na cidade. No entanto, Divinópolis ainda permanece, de acordo com a classificação da secretaria, com o índice de muito alta, com uma incidência de 1.767,12 casos para cada grupo de 100 mil habitantes.

Em janeiro, o município teve 31 notificações registradas; em fevereiro, 141; em março, 285; em abril, 917; em maio, 1.919; em junho, 839; e, por fim, 38 novas suspeitas em julho.

Vigilância

Apesar de as notificações estarem crescendo em menor escala e a Prefeitura afirmar que “o pico da doença já passou”, a vigilância ainda é necessária.

— Dentre as ações, o Município realiza os mutirões, campanhas educativas, carreatas, Dia D contra a dengue e panfletagem. Os moradores devem colocar nas calçadas de suas residências materiais e recipientes que possam acumular água — ressalta a Prefeitura.

Estratégias

Além de dar continuidade às ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, que é também transmissor da febre amarela, zika e chikungunya, a Prefeitura já deu início ao planejamento para o próximo ano. O Comitê Municipal Gestor de Políticas Públicas de Enfrentamento das Arboviroses se reuniu no último dia 18 para tratar do assunto.

— A Secretaria Municipal de Saúde, através da Vigilância em Saúde, promove um trabalho contínuo de ações ao combate do Aedes aegypti e será intensificado neste segundo semestre. Muito importante a prevenção antecipando o verão, período de calor e chuvas, o que torna o clima favorável à proliferação do mosquito — informou.

Ainda de acordo com Prefeitura, mesmo com o crescimento de notificações apresentando queda, as ações preventivas continuam ativas, como os mutirões de limpeza, visitas e orientações dos agentes de endemias às residências e ações educativas.

Mortes

No fim de abril, a Semusa anunciou que duas mortes foram registradas na cidade. Uma mulher, de 69 anos, morava no bairro Santa Clara, e perdeu a vida no dia seguinte à sua internação. A outra vítima fatal foi um homem, de 77 anos, residente no Niterói. Ele chegou à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Padre Roberto com o quadro de saúde delicado e morreu poucas horas após ser internado.

Segundo informou a Semusa na época, as causas das mortes foram confirmadas após testes nas próprias unidades onde as vítimas viveram seus últimos momentos. As amostras foram coletadas e enviadas à SES-MG para validação dos exames.

No entanto, três meses depois, a secretaria estadual ainda não confirmou as mortes. Em todo o estado, 117 óbitos tiveram o diagnóstico de dengue. 

Comentários
×