No Dia Estadual de Combate ao Feminicídio, MPMG e parceiros lançam concurso de redação contra violência doméstica

Da Redação

“Há exatamente três anos, em 23 de agosto de 2016, eu recebia a notícia do assassinato da minha irmã Lilian. Foi algo horrível que ainda não passou e que eu acho que nunca vai passar. Certamente ela ficaria muito feliz com esse projeto, porque também era professora, havia estudado Letras”.

O relato é da pedagoga Rosimayre Hermógenes e foi dado na manhã desta sexta-feira, 23, na abertura do evento realizado no Auditório José de Alencar, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, para marcar o Dia Estadual de Combate ao Feminicídio e para lançar, na rede estadual de ensino, o concurso de redação “A importância da educação na prevenção à violência contra a mulher e ao feminicídio”. O projeto vai premiar a autora ou o autor do melhor texto com um notebook e a escola ganhadora com R$500mil.

O Dia Estadual de Combate ao Feminicídio foi instituído no ano passado pela Lei 23.144/2018 e escolhido em virtude do assassinato da servidora do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) Lilian Hermógenes da Silva, irmã de Rosimayre, no município de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Lilian atuava como coordenadora administrativa da Promotoria de Justiça de Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da capital e integra a longa e crescente lista de vítimas de feminicídio no estado.

O concurso de redação para o combate à violência contra a mulher é uma iniciativa do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), em parceria com a ALMG e com as Secretarias de Estado de Desenvolvimento Social e de Educação, e com o apoio da Associação Mineira do Ministério Público (AMMP).

A ação é dirigida aos alunos do ensino médio e tem por finalidade sensibilizar estudantes e promover a conscientização sobre a importância da prevenção às práticas cotidianas de violência contra as mulheres presentes na escola, na família e na sociedade. O edital com o cronograma e regras para participação será publicado em breve. O primeiro lugar será premiado com um notebook e os outros quatro colocados com tabletes – prêmios viabilizados pela AMMP. A deputada Marília Campos anunciou, ainda, o compromisso de destinar, por meio emenda parlamentar, R$500mil à escola ganhadora, R$300mil à segunda colocada, R$200mil à terceira, R$100mil à quarta e R$50mil à quinta.

O concurso será realizado em 13 Superintendências Regionais de Ensino. São elas: Carangola, Caratinga, Coronel Fabriciano, Divinópolis, Januária, Juiz de Fora, Montes Claros, Nova Era, Ouro Preto e Ubá. Também participarão as Regiões Metropolitanas A, B e C, integradas pelos municípios de Barão de Cocais, Belo Horizonte, Brumadinho, Caeté, Nova Lima, Sabará, Santa Bárbara, Betim, Contagem, Esmeraldas, Ibirité, Igarapé, Mateus Leme, Jaboticatubas, Lagoa Santa, Pedro Leopoldo, Bonfim, Ribeirão das Neves e Santa Luzia, entre outros. O projeto inclui escolas indígenas, quilombolas do campo e as que atendem adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas de internação e estudantes do sistema prisional.

Comentários
×