Negócios com o exterior esfriam

 

 

Pablo Santos 

Os negócios com o mercado exterior esfriaram em 2018. O faturamento das empresas de Divinópolis ficou prejudicado por dois meses com exportações em baixa: junho e agosto, de acordo com os dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).  Queda está relacionada ao declínio das vendas dos produtos siderúrgicos.

De janeiro a agosto desde ano, foram negociados com o exterior US$ 115 milhões. No mesmo período do ano passado, a cifra foi maior: R$ 130 milhões, ou seja, uma queda de 12%, conforme os números disponíveis pela Secex.

O desempenho das exportações estava com ritmo crescente, mas agosto e, principalmente, junho contribuíram na retração das vendas para o exterior. Em junho foram enviados para o mercado externo US$ 358 mil em produtos divinopolitanos. No mês anterior, esse número chegou a US$ 25 milhões. No mês passado, outra cifra abaixo da média: US$ 2,3 milhões.

Até maio, as exportações estavam com saldo positivo em relação ao ano passado. De acordo com os dados, o crescimento estava perto dos 20% quando comparado com os dois períodos.

 Itens 

Conforme os números da Secex, 73% das exportações são referentes aos produtos semimanufaturados de ferro. Em 2018, o item registrou crescimento de 3% nas vendas em relação a 2017.

Já as barras de ferros tiveram queda de 34% nas vendas em 2018. O item representa na pauta de exportações 12%.

Ferro fundido produto também apresentou forte declínio de 41%. O produto representa 10% de tudo que Divinópolis exporta.

 Países 

As vendas para República Dominicana representam a maior fatia das exportações divinopolitana. Dos US$ 115 milhões negociados, US$ 30 milhões foram destinados ao país caribenho.

A Turquia é o segundo país com maior volume de negócios: US$ 23 milhões.

Já o Peru é a terceira nação com maior registro de vendas chegando a US$ 20 milhões.

 

 

Comentários
×