Negociação entre Prefeitura e Sintram está parada

Da Redação

A pouco mais de dez dias para o vencimento da data base da revisão salarial, a negociação do reajuste dos servidores da Prefeitura está “empacada”. O Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e Região Centro-Oeste (Sintram) encaminhou, no dia 5 de fevereiro, ao Poder Executivo, a proposta de reajuste de 10%, sendo 5,23% referente ao gatilho e 4,77% a título de recomposição dos salários em razão das perdas dos últimos anos, mas não obteve nenhuma resposta do Município.

A categoria quer, ainda, a revisão do vale alimentação, que hoje está em R$ 8 ao dia. A classe reivindica também aumento anual de R$ 1 mais o IPCA acumulado da Fundação Ipead. A data base da Prefeitura é 1º março, conforme definido pela Lei 8.063/2015 – Lei do Gatilho Salarial –, ou seja, o reajuste deve constar na folha de março, paga em abril.

 

Proposta

O pedido de aumento foi aprovado durante uma assembleia realizada no dia 4 deste mês, quando também foi eleita uma comissão de servidores que acompanhará as negociações entre o sindicato e a Prefeitura. Formam a comissão os servidores Darly Salvador, Lourdes Lopes e Claudemir Cunha.

— Os 5,23% são inegociáveis, nós já temos esse direito por lei. Os servidores também reivindicam a revisão do vale alimentação e vinculação da correção do benefício ao IPCA — explicou a presidente do sindicato, Luciana Santos.

A presidente disse ainda que o Sintram comunicou em ofício ao prefeito Galileu Machado (MDB) as reivindicações definidas pela categoria e solicitou uma reunião com o chefe do Executivo. Mas, conforme a presidente do sindicato, até o momento, o Município não se manifestou.

— Estamos aguardando que a reunião seja agendada o mais breve possível — ressalta.

Prefeitura

A Prefeitura se limitou a informar, por meio de sua assessoria de comunicação, que está elaborando uma proposta, mas que ainda não iniciou as negociações. O Executivo não informou qual percentual de reajuste está sendo estudado para ser apresentado à comissão sindicalista.

Comentários
×