Natal de Pimentel

Se tem uma pessoa em Minas Gerais que merece um Feliz Natal, é o excelentíssimo governador Fernando Pimentel (PT). Afinal, ele certamente terá uma mesa farta, uma árvore recheada de presentes  e feliz. Será, com fatura sim, felicidade talvez.  Afinal, a situação dele não é a das mais tranqüilas. Enquanto os milhares de servidores devem amargarão mais um Natal sem o 13° salário, sem uma ceia digna, sem presentes para a família, ele e outros poucos privilegiados desfrutarão da mais bela das festas, com tudo o que tem direito. Pimentel deixa o governo de Minas no dia 1° de janeiro de 2019, e já vai tarde. O petista sem sobra de dúvidas fez uma das piores gestões que o Estado já viu. Cheio das desculpas esfarrapadas, empurrou com a barriga esses quatro anos e promoveu o caos total em Minas Gerais. Caos para a população, para as prefeituras e para os servidores.

Todos sabem, afinal mais claro do que isso só a luz do dia, que todo político faz pacto com o diabo e com quem for preciso para ganhar uma eleição. Com Pimentel isso ficou mais do que claro – como a luz do dia. Para ser eleito em 2014 fez alianças e mais alianças, e são dessas alianças que nasceram os milhares de cargos comissionados que estão hoje, sobrecarregando o governo do Estado. Há quatro anos, Pimentel mantém suas promessas políticas em dia, custe o custar. Outro é que a folha de pagamento, de qualquer ente público é o que mais pesa no orçamento. A folha de pagamento dos servidores de Minas Gerais é nada mais, nada menos que R$ 20 bilhões.

E se alguém perguntar se exonerar cargos comissionados ajuda, a reposta é: sim! Como ajuda. Por causa do confisco de verbas promovido por Pimentel e sua turma, poucas prefeituras conseguiram quitar a folha de novembro, paga em dezembro, e o 13°. Mas, só conseguiram porque fizeram o dever de casa. Porque enxugaram a máquina e eliminaram os altos salários. Só sabe-se que o escalonamento de salário, o confisco de repasses das prefeituras, de repasses dos bancos que fazem empréstimos para os servidores, a falta de repasses para diversos hospitais, não foram suficientes para o governador adotar medidas de economia e honrar com os seus compromissos.

Mesmo com o caos e com os apelos, Pimentel manteve sua lealdade àqueles que o ajudaram a ser eleito governador de Minas Gerais. Nem mesmo o caos e os apelos foram capazes de sensibilizar Fernando Pimentel, que deixa a gestão do Estado no dia 31 de dezembro com os cargos comissionados “saindo pelo ladrão”. Além de tudo isso, sabe-se também que o Natal feliz do governador será bancado pelos servidores, que “verão com os olhos e lamberão com a testa”.  O que se tem certeza que Natal de muitos que o terão será bancado por aqueles que pelo segundo ano consecutivo não desfrutarão da festa como esperavam.

Então Pimentel, é Natal, e o que você fez, além de estragar as festas de milhares de servidores? O que você fez além de uma péssima gestão em Minas Gerais? O que você fez além de trazer o caos e a tristeza? Pois é, a resposta todos sabemos. Então Feliz Natal para os servidores que lutam – sem os seus direitos – para manter este Estado de pé, porque se não for eles, quem será?  

Comentários
×