Não vira nada

Preto no Branco 

Termo muito usado quando a pessoa não acredita que algo dará certo, que, mesmo havendo algo errado, ninguém tomará providência. Pois bem, nunca este ditado, tão antigo, esteve tão presente em nosso cotidiano. Pipocam promessas para toda banda. É para a Educação, Saúde, Segurança Pública, entre outros.  E vêm dos governos federal, estadual e dos municípios. Mas é aquela coisa: prometer, todo mundo promete, porém, no “fritar dos ovos”, a população recebe só chumbo na asa. E o pior, entra ano e sai ano, e tudo continua a mesmíssima coisa.

Exemplos? Não faltam

Na Saúde, Divinópolis mesmo é um dos casos. O programa “Mais Médicos” se foi. Fingiram colocar outro lugar e ninguém sabe a “quantas anda”. E, mesmo que tivesse ido para frente, a “Cidade do Divino”, não seria contemplada, pois, segundo o Ministério da Saúde, não se enquadra nos requisitos. Resultado: perdeu 16 profissionais. A Educação não fica muito atrás. É escola fechando, é inserção de turmas de uma rede na outra, é aumento de salário que não vinga e por aí vai. Quem arca com as consequências?  Os alunos, que podem iniciar o ano letivo já enfrentando uma greve. A Segurança Pública, por sua vez, dispensa comentários. As polícias Militar e Civil enxugam gelo, enquanto as leis continuam antigas e não são usadas de forma igualitária. Falar o que mais?

Desigualdade impera

O novo salário mínimo está valendo desde 1º de janeiro, R$ 1.039. Ou seja, o trabalhador começa a receber R$ 8 mais a partir de fevereiro. Isso mesmo. Não dá para comprar um pacote de arroz de 5kg, que, bastou o anúncio do aumento para custar entre R$ 2 e R$ 4  a mais  pacote. Enquanto isso – sem querer equiparar as profissões de cada um – os desembargadores dos Tribunais de Justiça de Minas e de outros estados, embolsam todo mês até 150 salários mínimos. Estudaram muito para exercer o cargo? Sim. Merecem? Não tenho dúvida. No entanto, um vencimento de R$ 35.462,22, com alguma gratificação, na quebradeira que o Brasil vive, seria mais do que suficiente. Mas não. Tem que ter vantagens de R$ 73 mil, R$ 38 mil de gratificações mais R$ 4 mil de gratificação, chegando a cerca de R$ 150 mil. Muita humilhação para o trabalhador deste país.

Para variar

A reunião da Câmara começou ontem suas tradicionais trocas de farpas, indiretas e chacotas. Mas, cá para nós, tem vereador que caça as patadas. Foi neste clima que Ademir Silva (PSD) foi eleito vice-presidente da Casa. Ele venceu Matheus Costa (CDN) por 10 votos a cinco. O engraçado é uns votarem e dizerem: queria votar em você, mas não tem jeito. Pera aí! Ou é um ou outro. Não dá pra escolher dois. Este negócio de querer agradar por agradar ninguém merece.

Foi prudente

O presidente, Rodrigo Kaboja (PSD), que agora tem um companheiro de partido na Mesa Diretora, foi muito prudente em seu discurso para explicar sua resposta acalorada sobre o lanche na Casa, dada na reunião da última terça-feira, 4. Pediu desculpas e sugeriu aos vereadores mudanças, se for esta a vontade deles, como diminuir o valor estipulado para 2020. Agiu como um homem público deve agir e qualquer outra pessoas que erra e, no mínimo, pede desculpas. Sinceridade e humildade cabem em qualquer lugar, e ele sabe bem disso.

Possíveis nomes

O Partido Social Liberal (PSL) ex-partido do presidente Jair Bolsonaro, perdeu o principal nome da sigla no País, mas não perde tempo nas articulações Brasil a fora. E uma das ações realizadas são os encontros. A amanhã, às 10h, ocorre em Divinópolis, o encontro regional. As discussões terão a presença do presidente do partido na  cidade, o empresário Fernando Malta e os deputados federais Charlles Evangelista, Delegado Marcelo e Enéas Reis. Além deles, os deputados estaduais Professor Irineu, Delegada Sheila, Coronel Henrique e Heli Grilo.  A reunião das lideranças e apoiadores da região Centro Oeste, apresentará o projeto “PSL 2020” e dela, devem sair os nomes dos possíveis candidatos nas eleições municipais. Um deles, a prefeito de Divinópolis. A conferir!

Comentários
×