Não vai terminar

Preto no Branco 

Chegou mesmo ao fim o ciclo de Amarildo Sousa à frente da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). Com o indeferimento do juiz ao pedido da Prefeitura para que ele fosse reconduzido ao cargo para encerrar os 13 dias ainda de gestão, ele próprio decidiu pedir ao prefeito a exoneração do cargo. Com a decisão, foi nomeado outro secretário, e não interino, como era intenção de Galileu Machado (MDB). Em conversa com a coluna, o chefe do Executivo disse que pretendia nomear apenas um provisório em consideração ao grande trabalho realizado por Amarildo, especialmente no período da pandemia. Certamente, o que pensam todos os que acompanharam a trajetória do ex-secretário. Como poucos que passaram por lá, Amarildo teve todas as qualidades necessárias para lidar com a pasta considerada mais complexa de qualquer governo. 

Decisão do secretário 

Nota pública divulgada pela defesa de Amarildo Sousa diz que, diante da decisão judicial de manter o afastamento, embora as provas demonstrem claramente que ele não cometeu nenhum ato ilícito, considerando o recesso forense e a proximidade do encerramento da atual gestão legislatura e pelo fato de o servidor sempre ter contado com pessoas capazes em sua equipe, requer sua exoneração para que o prefeito nomeie novo secretário e continue a luta no combate à pandemia do coravírus. Afirma ainda que Amarildo agradece o apoio de todos os servidores, da população em geral e segue acreditando na Justiça. Ainda bem que ele e muita gente ainda acredita. Porque o dia que isso não acontecer mais, pode devolver o Brasil para Portugal, para os índios, ou seja lá quem for. Alguém que dê conta de dar um basta em praticamente tudo que se vê por aí, com todos sendo obrigados a engolir calados. 

Demanda alta 

Galileu Machado confidenciou ainda que o ideal era deixar o cargo vago, devido aos poucos dias que faltam para o encerramento de sua gestão, porém, a demanda é gigantesca e a presença do secretário para assinar alguns despachos urgentes é necessária. Os nomes mais cotados são o da diretora da Vigilância em Saúde, Janice Soares,  do diretor financeiro da Semusa, Bruno Carlos, e da diretora de Urgência e Emergência da UPA, Cristiane Joaquim. Porém, até o fechamento desta coluna, não havia definido o substituto. O certo é que quem responder pela pasta fica até o último dia do mês, depois passa o bastão para Alan Rodrigo da Silva. O atual  superintendente regional de Saúde foi o escolhido por Gleidson Azevedo e Janete Aparecida para assumir a Semusa. Alan é natural de Itaúna e mora lá, contrariando, assim, o que foi proposto pelos futuros gestores que defenderam pessoas técnicas e de Divinópolis. 

Falta apenas um

Ainda dentro assunto, próxima gestão na Prefeitura, o grupo que atuará na administração Gleidson/Janete está praticamente formado. Durante a cerimônia de diplomação dos eleitos, nesta quarta-feira, na Câmara, o futuro prefeito disse ao Agora que faltava apenas um nome para ser confirmado como secretário. Revelou ainda que este processo deve se encerrar hoje, inclusive com a escolha do nome do diretor de comunicação.  Apesar de a forma de se nomear ter sido amplamente divulgada, sobretudo a adoção de critérios, a escolha de alguns nomes foi duramente criticada em alguns grupos políticos da cidade ontem. Muitos até citaram nomes, argumentaram sobre as decisões e falaram até em favorecimentos por parte da vice-prefeita. Gleidson, no entanto, não deixou barato. Gravou um áudio explicando toda a situação. E fez certo, antes que o circo pegasse mais fogo ainda. No entanto, não conseguiu convencer muita gente. E olha que eles ainda nem tomaram posse. Em se tratando de política e de alguns grupos em Divinópolis, o pior está por vir. Mas faz parte do processo!

Bombardeio 

Vem de todos os lados. Mas é a internet, espaço que, muitas vezes, sem nenhuma comprovação, provoca reações na população. Esta, por sua vez, sai distribuindo e quando menos se espera, o estrago está feito. Tanta gente que vive só por conta disso, só pode. Não há hora do dia ou da noite que não estão lá entupindo os grupos de mensagens. De duas, uma: falta do que fazer ou gosta mesmo de infernizar a vida do outro. Haja paciência. 

Comentários
×