Não é possível

Os espetáculos protagonizados na Câmara ultimamente estão dando o que falar. Definitivamente, a cordialidade, a apresentação de projetos e assuntos de interesse da comunidade deram lugar à troca de farpas e até agressões verbais entre alguns vereadores. Se a reunião não fosse transmitida ao vivo, até passava despercebido, já que o divinopolitano não tem tradição de acompanhar as reuniões.  O problema que já é motivo de chacota em várias partes da cidade. Triste ver isso vindo dos representantes do povo. Aí vem um conhecedor como ninguém dos trabalhos do Legislativo e diz que: há 35 anos, toda legislatura faz a mesma coisa. Sinceramente...

Cercear

Tem coisa que acontece em pleno século XXl, que a gente custa a acreditar. Mas, quando se trata de decisões políticas, até que é compreensível.  A última é que a Assembleia Legislativa de Minas Gerais proíbe, desde terça-feira, a presença da imprensa na antessala do plenário, local onde os deputados estaduais sempre deram entrevistas e conversaram com os jornalistas. Os bonitões não querem ser incomodados e vão falar só quando solicitados e, isso, se tiverem boa vontade. É para rir, ou chorar?

Identificação

A proibição do acesso ao local consta em deliberação da Mesa publicada no Diário Administrativo da Casa. A nova regra prevê que a entrada de pessoas na Assembleia fica condicionada à identificação à Polícia Legislativa. A deliberação estabelece ainda que terão acesso à antessala do plenário, além dos deputados estaduais, somente servidores que estejam no apoio ao processo legislativo. Na deliberação de 1999, estava previsto o credenciamento de profissionais da imprensa para o livre acesso às dependências do plenário. Ah, o nome do presidente da Mesa é Agostinho Patrus (PV). O que será ele teme? Identificar algo escuso nos bastidores? Um absurdo.

Tem obrigação

E não é de hoje que ocorrem estes casos condenáveis com a imprensa. Muitos políticos ainda teimam em ditar de que forma a imprensa deve agir. E não é cabeça de ditadura militar, não, é medo mesmo. Medo de práticas inadequadas serem descobertas, medo de se indispor com o eleitorado, pois não vive na política, mas, sim, da política. Em Divinópolis, não é diferente. Boa parte dos políticos aqui, só quer ser citada apenas em algo favorável à sua imagem, ou em “babação de ovo”. Ah, faça-me favor. Se não quer ser lembrado de forma também negativa, saia da vida pública. Enquanto for empregado do povo, tem a obrigação de mantê-lo informado sobre seus atos. 

Repúdio

Em nota, o Sindicato dos Jornalistas repudiou a nova regra, a qual considerou "uma das atitudes mais antidemocráticas da história da ALMG". Para a entidade, a proibição do acesso dos jornalistas à antessala "é um desrespeito ao trabalho da imprensa, e, sobretudo, um desrespeito ao cidadão, pois dificulta que a informação seja transmitida para a sociedade".

Antidemocrática

E o buraco é ainda mais embaixo. Desde a última Legislatura, a Assembleia não informa mais quais deputados recebem auxílio-moradia de R$ 4,3 mil. Também parou de divulgar quais são os funcionários comissionados dos gabinetes. E a ordem vem de onde? A obscuridade precisa ficar escondida. E o povo, não vai reivindicar seus direitos? Nisso é que dá deixar a responsabilidade só para a imprensa. Tida, atualmente, como sensacionalista, mentirosa e tendenciosa. A verdade dói, né!

Comentários
×