Na contramão

Preto no Branco 

Não sei ainda porque me admiro com algumas coisas que acontecem no Brasil. Enquanto outros países evoluem tecnologicamente, essa terra tomada dos índios, quando não copia, principalmente, dos Estados Unidos, acaba com o pouco que conseguiu criar até hoje. E adivinha de onde vem a ideia e aprovação destas aberrações? Acertou quem disse a capital brasileira. De onde mais, se é lá que estão os desmandos absurdos e a corrupção nada de braçada? Querem acabar agora com voto eletrônico, talvez, a única invenção que sirva de modelo para o mundo. O cúmulo da burrice e da falta do que fazer.

De onde é?

E a autora da tal "PEC do voto impresso" é natural de onde? Acertou quem pensou em Brasília. De lá mesmo. É a deputada federal Bia Kicis (PSL). Sinceramente? Merece ter o QI estudado, pois não dá para explicar este retrocesso. Porém, não é somente ela que dispensa comentários ao ter essa ideia “fabulosa”. Muitos colegas, sabe se lá com qual intenção, concordam plenamente. Tanto que a a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou, por 33 votos a 5, a admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/2019, que torna obrigatória a expedição de cédulas nas eleições. A proposta segue agora para uma Comissão Especial na Câmara. E que ninguém se assuste se passar com a mesma facilidade. Afinal, o que seria dos políticos se não fosse o tal “jogo de interesse”.

Por aqui?

Não é muito diferente. “Cabaçadas” e pouca produtividade. O atraso no Legislativo é total. Tanto que o presidente da Câmara, Rodrigo Kaboja (PSD), já disse que não há previsão para o recesso parlamentar enquanto Casa não for colocada em ordem. Mas, parece que esta possibilidade não assusta nem um pouco parte dos vereadores. Prova disso é que alguns continuam faltando, outros desaparecem enquanto colegas discursam e nada do que está pendente não foi colocado em pauta na reunião de ontem. Cá para nós, isso foi feito o ano inteiro e não precisa de prazo. Letargia? Não bobo, deixa!

Mais de um ano

A razão de não existir data para o início do recesso são diversas pautas ainda pendentes que precisam ser resolvidas neste ano. Entre eles, os relatórios finais das Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI’s) do áudio e do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU). Para se ter uma dimensão dos atrasos, a CPI do áudio teve as oitivas encerradas em novembro do ano passado e, mesmo já tendo rendido até audiência de conciliação – com direito a pagamento de cestas básicas –, o relatório ainda não foi apreciado em Plenário.

Mais confiável

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB Nacional) foi eleita pelos brasileiros como a instituição mais confiável da sociedade civil. Para a ordem, a confiança da sociedade na instituição representa um reconhecimento importantíssimo do papel da que ela exerce junto à população. A 48ª Subcessão em Divinópolis diz compartilhar o resultado com todos os advogados que trabalham pelo alcance diário da Justiça. A pesquisa foi realizada pela Associação dos Magistrados Brasileiros (Amagis). Em um momento, quando a sociedade anda descrente até com a própria Justiça, é uma grande conquista. Os parabéns da coluna a todos os profissionais que integram esta respeitada instituição; e a luta continua!

Moção de Pesar

E por falar em OAB, uma sessão do Pleno da OAB/ MG aprovou, na última sexta-feira, uma Moção de Pesar pela morte advogado divinopolitano Evandro César de Assis. O requerimento é do conselheiro estadual e membro julgador da 3ª Turma do órgão em Minas Gerais, Alican Albernaz de Oliveira. A cara de Alican, figura sensível, querida e admirada por muita gente nesta “Cidade do Divino”, a qual este norte mineiro porreta, adotou como sua.

Comentários
×