Música traz mensagem de empoderamento feminino

Ana Laura Corrêa

O clipe e a música “Tudo Isso”, da cantora Yeda Labrunie, foram disponibilizados no último domingo, 15, no Youtube. A canção ressalta a importância de a mulher manter sua autoestima diante dos relacionamentos amorosos descartáveis desses tempos líquidos, em que, como disse o sociólogo polonês Zygmunt Bauman, “nada é para durar”.

— Todo mundo tem aplicativo de namoro, e as pessoas descartam as outras muito fácil. “Tudo Isso” fala sobre mulheres boas demais para serem deixadas para trás, mulheres maravilhosas, que, quando o cara sai, foi ele que perdeu tudo isso — diz a cantora.

O clipe contou com produção musical de Flávio Morteiro, assessoria de Fernando Fernandes e produção de vídeo e direção de Rhodes Madureira. A artista diz que, por meio das canções, leva aquilo que acredita até as pessoas.

 — A arte enfrenta muita dificuldade, principalmente hoje. Estamos com a política tão inflamada que não enxergamos a arte como algo que possa trazer um alento. Há uma frase que diz “Sem arte, a vida é engolida a seco”, e é a mais pura verdade. Então, enquanto você está dançando, curtindo a música, eu estou falando na sua cabeça que você é importante, poderosa e todas essas coisas que a gente tem que saber todos os dias, levantar de manhã, olhar no espelho e falar: “eu sou tudo isso” — destaca.

Preconceito

No ano passado, Yeda lançou as faixas “Me Respeita”, falando sobre racismo, e “Chama”, que aborda o universo LGBTQI+. É a própria artista quem compõe as letras. Ela escreve desde os 14 anos, mas, somente agora, aos 34, teve condições financeiras de começar a gravar. A cantora diz que o preconceito sempre esteve presente em sua trajetória.

— Aos 14 anos falei para minha mãe que queria ser cantora. Aí já começou o machismo, quando ela disse “artista não, porque são vagabundas”. E ainda venho enfrentando o preconceito. Sou uma mulher, mãe de dois filhos, bissexual, não tenho mais um padrão de beleza aceitável pra sociedade e não sou uma garota jovem que dança até o chão, enquanto querem uma mulher fetiche. Então, estranham, “como assim essa negra está de roupa?” ou “como assim é negra, mas não está sambando?” ou “como assim não está fazendo algo que mostre um pouco mais?”. Não que eu veja problema em mostrar — ressalta Yeda.

Planos

A cantora destaca a importância da equipe, dos amigos e do marido na carreira. Segundo a artista, há planos para lançamentos futuros. A gravação de uma nova faixa terá início no próximo mês, no entanto, ainda sem data de lançamento definida.

Comentários
×