MP recolhe documentos e analisa situação da UPA de Divinópolis

Rafael Camargos 

72 horas. O futuro da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Padre Roberto em Divinópolis pode ser selado nos próximos três dias.  Não é de hoje que a unidade de saúde enfrenta problemas, sejam eles por conta de falta de medicamentos, atraso no salário dos médicos, ou a superlotação.

Mas ontem, 3, o presidente da Comissão de Saúde da Câmara, vereador Renato Ferreira (PSDB), disse em discurso, na tribuna da Câmara, que durante a manhã foi convidado para uma reunião com o secretário de saúde Rogério Barbieri, representantes da Secretaria da Fazenda, Procuradoria e do Hospital São João de Deus (HSJD). A pauta prévia seria o possível fechamento da UPA, já negado pela prefeitura.

Na última quinta-feira, 28, o diretor clínico da unidade, Rodolfo Monteiro Barbosa, denunciou ao Ministério Público (MP) e ao Conselho Regional de Medicina (CRM) alguns fatos graves que vem ocorrendo há pelo menos dois meses na unidade de saúde.

Sob análise 

Ao Agora, Rodolfo Monteiro Barbosa informou que na última sexta-feira, 29, o Conselho Regional de Medicina realizou uma vistoria técnica na unidade. Além disso, a promotoria solicitou alguns documentos para análise durante a tarde de ontem. — A promotoria solicitou alguns documentos aqui que foram enviados nesta tarde. O CRM esteve aqui na última sexta-feira e fez uma vistoria. Estou aguardando retorno deles — disse o diretor clínico.

Ainda segundo Rodolfo Monteiro, ainda não há uma resposta sobre a análise dos documentos.

— O superintendente da Santa Casa de Formiga está na promotoria neste momento ( ontem à tarde). Estou aguardando parecer do CRM — comentou.

Socorro

Em carta encaminhada as autoridades na última semana, o diretor relatou falta de materiais básicos na unidade e também de pagamentos aos profissionais. Segundo ele, o material já está sendo reposto, mas o pagamento dos médicos ainda está em atraso.

— As medicações também estão sendo repostas. Foram pagos 55% dos salários do mês de junho — falou.

Fechamento

 Ainda segundo Renato Ferreira, durante as conversas na reunião de ontem, foi cogitada a possível interdição ética na UPA, por causa das dívidas que o Município possui junto à Santa Casa de Formiga, atual gestora da unidade. Foi proposta também a retomada da regulação hospitalar. A ideia é fazer com que o HSJD atenda à macrorregião em alta complexidade e que o Município regule a média complexidade na microrregião de saúde.

— Se o Município não receber até a próxima sexta-feira, 5, R$ 10 milhões de um montante de R$ 40 milhões, não haverá alternativa a não ser o fechamento da UPA. O vice-prefeito Rinaldo Valério [PV] disse que participará ainda nesta semana de uma reunião com o vice-governador, Antonio Andrade (PMDB) e que vai levar o problema a ele — disse o vereador.

Também foi sugerido que as cirurgias eletivas fossem suspensas em caráter emergencial no HSJD para aliviar o atendimento na UPA. Também foi falado que seja feita uma Parceria Pública-Privada (PPP) para privatizar o Hospital Público Regional (HPR). Foi dito também que não é certo que Nova Serrana encaminhe pacientes à UPA de Divinópolis. 

— O Estado deve mais de R$ 40 milhões ao Município. É hora de cobrar de quem deve. Na sexta-feira, a UPA pode parar. Mais um caos na cidade. Já não temos segurança e hoje a gente vê esse caos — finalizou Renato Ferreira.  

Resposta 

Procurada, a prefeitura negou o fechamento da UPA Padre Roberto e disse que os atendimentos acontecem normalmente. Já a Santa Casa de Formiga, não se manifestou sobre o assunto.

 

Comentários
×