Movimentações no Cenário Cultural

Para onde vão os objetos do Museu e o Arquivo Público?

Welber Tonhá e Silva

Já é certa a mudança da Biblioteca Pública Ataliba Lago, inclusive, nesta coluna já abordamos o tema, mas e o Arquivo Público, para onde vai? Onde serão guardados os documentos, fotos e arquivos históricos de nossa cidade? Faço essa pergunta porque, segundo informações, o endereço novo não comportará o Arquivo Público e o acervo do Museu Histórico de Divinópolis. O Museu e o Arquivo contam com documentos e um grande acervo de peças da Ferrovia, arquivos, fotos e objetos do Brigadeiro Cabral, uma infinidade de peças que contam a história da cidade, além de obras de GTO, Celeste Brandão, Hevecus, Petrônio Bax entre outros ‒ portanto, precisa de um local adequado e seguro para alocar tais relíquias. 

Projeto de lei que proteja a Biblioteca

Uma sugestão boa aos vereadores é criarem uma lei que destine o dinheiro da Biblioteca exclusivamente para uso do espaço, seja para adquirir livros novos, expositores, materiais de conservação e manutenção técnica. No ano passado, a biblioteca chegou a ter R$ 70 mil em caixa, dinheiro que foi usado para outros fins que não a própria biblioteca.

Audiobook em alta

O escritor divinopolitano Bruno Godoi apresentou o conto “Dex and Roses” da coletânea “Estranho” em audiobook pelo canal “Conto um Conto”, no Youtube. O livro completo é encontrado na Amazon.

Livros chegando

A produção literária de Divinópolis e região está cada vez mais forte. O professor Charles Guimarães lança, no fim do mês, em Carmo do Cajuru, o livro “Crônicas e Contos na Boca da Mata”. Charles também participa do livro “Histórias Contadas por Quem Conta”, junto com outros dez escritores e contadores de história, que será lançado entre o fim deste mês e o início de abril.

Dentre outros lançamentos, Maria das Neves também lança seu livro “Meirella Narra sua Própria História” no início de abril. 

Um número que gosto

A numerologia, por meio da cultura dos povos antigos, sobrevive até os dias de hoje em nossa vida, seja de forma consciente ou subliminar. Eu, claro, como todo brasileiro, tenho lá minhas peculiaridades em relação aos números, eu gosto do número 7, e hoje 04/03 (=7) escrevo minha coluna número 7. 

‘Toda Terça Gravatá’ voltará a animar a cidade

O projeto “Toda Terça Gravatá”, idealizado e produzido por Hamilton Costa, da Cia. os Teatráveis, já tem uma luz no horizonte para voltar: a previsão é o segundo semestre de 2021. Um evento que se tornou tradicional na cidade volta com força total.

Indicação de livros

O livro indicado a nós desta semana pela Boutique do Livro é “A Estrangeira”. Entre a Basilicata e o Brooklyn, de Roma a Londres, da infância ao futuro, este romance de Cláudia Durastanti é uma aventura muito pessoal que combina novas e velhas migrações.

Já o livro indicado pela Loreto Bookstore foi o que inspirou a série “Bridgerton”, da Netflix. Primeira das nove obras da série “Os Bridgertons”, “O Duque e Eu”, de Julia Quinn, é uma bela história sobre o poder do amor, contada com o senso de humor afiado e a sensibilidade que são marcas registradas de Julia Quinn.

Leitor pautando

É gratificante quando recebemos sugestões dos leitores para nossa pauta cultural/histórica desta coluna. A professora Andreia, da Unifenas, nos sugeriu falar sobre o papel das associações de bairro na sociedade, e nos contou que a associação dos moradores dos bairros São José, Catalão e Bela Vista, por meio do Fio Gorgozinho, tem registrado fotos e grandes conquistas conseguidas pela associação. Muito bom isso, registrar a história para gerações futuras é louvável. Vamos querer saber mais.

Tem pauta para sobre a cultura? Envie para welbertonha@gmail.com

Welber Tonhá e Silva 

Historiador, escritor, pesquisador, fotógrafo e fazedor cultural.

Instagram: @welbertonha

 

Comentários
×