Morreu mais uma pessoa com suspeita de febre maculosa

 

Maria Tereza Oliveira

A morte de uma mulher de 41 anos pode ser a quarta morta causada por febre maculosa em Divinópolis. A vítima deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) na última quinta-feira, 13, e morreu no dia seguinte.

A paciente apresentava um quadro hemorrágico, por isso, a suspeita de febre maculosa ou outras doenças que causam hemorragia.

O Município lidera o ranking de mortes por febre maculosa na região com três mortes confirmadas, fora a morte da última sexta.

Casos

Até o momento, além das três mortes confirmadas, a cidade tem quatro casos sob investigação, incluindo a última morte.

A doença é transmitida através da picada de carrapatos infectados, principalmente os popularmente conhecidos como carrapato-estrela. Embora casos da doença possam ocorrer durante todo o ano, é no período seco, especialmente entre os meses de junho e novembro, que eles ocorrem com maior frequência.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) recomenda que ao frequentar locais com incidência de carrapatos, como por exemplo, zona rural, locais interditados, além do contato com animais silvestres e domésticos, deve-se verificar se há carrapato. E, caso encontre algum, deve-se retirá-lo com pinça e se sentir algum sintoma, procurar imediatamente uma unidade de saúde.

O parasita transmissor está presente em inúmeros animais como, por exemplo, cavalos, cachorros, gatos, gado, dentre outros. Entretanto a principal hospedeira dos carrapatos é a capivara.

Grupo de ação

Na última quinta, 13, Ministério Público e Prefeitura se reuniram para traçar medidas de prevenção à febre maculosa.

O intuito da reunião foi a formação de um grupo de apoio, por meio de portaria conjunta que contará com as secretarias de Governo, Saúde e Meio Ambiente.

O promotor da área de Saúde do MP, Ubiratan Domingues, presente à reunião e explicou que as promotorias de Saúde e Meio Ambiente acompanharão as medidas adotadas pelo Município.

Segundo o promotor, a comissão irá fazer um diagnóstico e planejar as novas ações a serem efetivadas.

Prevenção

Com o objetivo de diminuir os casos, vários locais passaram por dedetizações. O Teatro Gravatá, assim como a Escola Municipal de Música, foi dedetizado pelas equipes da Vigilância em Saúde, na terça passada, 11.

Cinco campos foram advertidos a suspenderem suas atividades para prevenção à doença, sendo eles, Flamengo Esporte Clube, Estádio Waldemar Teixeira de Faria, Associação Atlética Danilo Passos, Bom Sucesso e Manoel Valinhas.

As atividades no Parque da Ilha, assim como no espaço dos Escoteiros Frei Leão Rodrigues também foram suspensas.

Além destes locais, outros quatro espaços — Associação Atlética Banco do Brasil, Divinópolis Clube, Clube dos Servidores Municipais (CSM) e Centro de Treinamento do 10º Batalhão de Bombeiros Militar de Minas Gerais (BBM) — foram notificados para suspenderem as atividades, entretanto, o período de suspensão é somente nos campos de futebol.

No último feriado da Independência, 7, foram dedetizados Sala Verde, Escola Municipal Oribes Batista Leite e Centro de Treinamentos do 10º BBM, além de duas residências no bairro Belvedere e outra no bairro Dom Pedro II.

A Vigilância também visitou 12 locais, em sua maioria, campos de futebol.

Educadores encontraram um carrapato em uma criança no Centro Municipal Educacional Infantil (Cemei) Rafael Nunes no bairro Santa Lúcia. A instituição passou por dedetização.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) dedetizou a Escola Municipal Oribes Batista Leite, no Bairro Planalto após professores acharem carrapatos em quatro alunos. Uma servente também estava com o parasita.

A Escola Municipal Darcy Ribeiro foi outra escola que passou por duas dedetizações por estar ao lado do Parque da Ilha, local com acesso restrito ao público. O educandário teve as aulas suspensas no último dia 3 por período indeterminado. No último dia 10, os alunos voltaram às aulas por meio de coabitação com a Escola Estadual São Vicente em dois turnos.

A Semusa reforça o trabalho educativo sobre os perigos da doença por meio de distribuição de panfletos e fixando cartazes nas áreas consideradas críticas.

Sintomas e tratamento

Os principais sintomas são febre acima de 39ºC e calafrios, dor de cabeça intensa, conjuntivite, náuseas e vômitos, diarreia e a dor abdominal, dor muscular constante, insônia e dificuldade para descansar, inchaço e vermelhidão nas palmas das mãos e sola dos pés, gangrena nos dedos e orelhas, paralisia dos membros que inicia nas pernas e vai subindo até os pulmões causando paragem respiratória.

O tratamento deve ser iniciado até cinco dias após o aparecimento dos sintomas, sendo, normalmente, feito com a ingestão de antibióticos. A falta de tratamento pode afetar o sistema nervoso central e causar encefalite, confusão mental, delírios, convulsões e coma.

 

 

Comentários
×