Moradores reclamam de ônibus sucateados

 

Maria Tereza Oliveira

Os moradores do bairro Icaraí estão revoltados com os serviços de transporte público ofertados para aquela região. De acordo com eles, os ônibus estão sucateados.

O transporte público é utilizado pela maioria dos divinopolitanos e, muitos, dependem dele diariamente para trabalhar e estudar.

A presidente da Associação dos Moradores do Icaraí, Kênia Aparecida de Sousa revelou à reportagem o entrave entre os moradores e a empresa responsável pelo transporte público, Exdil, que faz parte do Consórcio Transoeste, que já perdura por anos.

Exposição do problema

Kênia destacou uma reunião entre membros da associação, vereadores, Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (Settrans) e da Exdil, onde os moradores fizeram reivindicações para melhoras do serviço para a região.

Dentre os pedidos, os moradores solicitaram a extensão da linha para o bairro Jovelino Rabelo pelo menos em horários de maior necessidade da população daquele local: 5h, 8h, 15h30, 18h, 21h e 23h.

Também foi pedido o aumento do número de pontos de ônibus no Icaraí, independência das linhas, e principalmente, na renovação da frota de veículos.

Ainda de acordo com Kênia, na reunião, a Exdil se comprometeu a oferecer mais três novos carros até dezembro do ano passado e mais sete até maio deste ano.

Resultados

A líder comunitária fez um balanço do que foi atendido de um ano para cá.

— Bom, algumas reivindicações foram atendidas, no entanto, infelizmente algumas foram esquecidas — destacou.

Segundo Kênia, as questões resolvidas foram relacionados ao aumento de horários e a inclusão de linhas no Jovelino Rabelo.

Sobre a frota, principal preocupação da comunidade, não chegaram novos ônibus para atender a região.

— Os veículos estão sucateados e, por isso, eu temo que possa acontecer acidentes catastróficos. Além disso, há relatos de pessoas que foram esmagadas pelas portas — revelou.

Kênia disse que os ônibus estão sempre lotados, chegando a ter 120 passageiros.

A presidente da associação disse que precisa de soluções imediatas e que quer uma empresa que substitua a Exdil.

— Eu já entrei com pedido na Settrans e no Ministério Público (MP) para tentar solucionar a situação de vez — contou.

Ainda de acordo com Kênia, alguns ônibus não são adaptados para deficientes e por isto, muitas pessoas acabam “abandonadas” nos pontos de ônibus.

Abaixo assinado

A líder comunitária contou que está colhendo assinaturas dos moradores do Icaraí para que todas as reivindicações feitas na reunião de um ano atrás sejam cumpridas.

Exdil

O jornal Agora entrou em contato com a empresa alvo das críticas e ouviu o outro lado da história.

De acordo com a empresa, a frota dos veículos será renovada no fim do ano.

— Adquirimos seis novos veículos que devem chegar até dezembro, ou no mais tardar, em janeiro. Tudo depende do fornecedor — justificou.

A Exdil desmentiu que há ônibus que não são adaptados para pessoas com necessidades especiais e ainda reforçou que os novos veículos também são preparados.

A empresa afirmou também que o número de pessoas que utiliza transporte clube caiu 15% e, que os ônibus só ficam lotados em horários de pico.

Questionada sobre a afirmação de que pessoas se machucaram nas portas dos veículos, a empresa jogou à responsabilidade para os passageiros.

— Isso é negligência de quem usa o transporte e, além do mais, há apenas um caso registrado em 20 anos de atuação na cidade — justifica.

Prefeitura

De acordo com a Prefeitura, tudo o que foi pedido para a Settrans foi atendido ainda no ano passado.

— Nós aumentamos os horários e colocamos linhas no bairro Jovelino Rabelo. Hoje, o Icaraí conta diariamente com 11 horários da linha 41 e nove horários na linha 42 — finalizou.

 

 

Comentários
×