Moda sob a lupa

Wagner Penna

Semana passada foi realizada mais uma São Paulo Fashion Week. Desta vez, edição comemorativa dos 25 anos do evento. Como pede o momento, em versão virtual. E, como também pede o momento, na hora exata de se indagar sobre a importância dos eventos de lançamentos de moda. 

A própria SPFW foi iniciada num momento em que a moda brasileira precisava de um impulso, algum ordenamento e valorização das marcas. O último item foi alcançado em sua plenitude – tanto assim que as versões regionais da semana paulistana se replicaram país afora.

A chegada do coronavírus e suas restrições colocaram uma grande interrogação sobre o assunto. Tanto aqui, quanto nos EUA, Europa, Oriente – no mundo todo. A versão virtual sinalizou que os lançamentos poderiam ser feitos de modo diferenciado.

Os vídeos, filmes e (poucos) desfiles presenciais indicam boa convivência. Mas mostram, principalmente, que não é preciso horas de tédio na espera entre um desfile e outro para quem cobre esses eventos, evita que esses sejam apenas palco para os personagens-satélites da moda (como influencers, fashion victims & afins),  valorizam o essencial (que é o produto), minimizam o risco de a moda deixar de ser a  protagonista e de o assunto perder seu propósito maior – como já vinha ocorrendo.

Quanto às vendas, o novo formato oferece ferramentas mais eficientes, modernas e ricas em criatividade para informar e estimular o mercado consumidor.

VAIVÉM

  • O circuito da moda de Beagá vai se movimentar nos próximos dias – com o lançamento de coleções cápsula de várias grifes. Além das mostras no showroom das marcas, acontecerá o Minas Showroom e a o evento Casa Skazi. Já o salão Novo Showroom (em São Paulo, com marcas mineiras) passou de novembro para janeiro. 
  •  A Associação dos Consultores em Negócios de Moda (ACNM) criou mais uma ferramenta de trabalho para seus associados, implantando plataforma de negócios virtuais com sua clientela. A iniciativa do presidente Paulo Lopes foi realizada em parceria com a ComLook – especializada no e-commerce fashion –  e permite interação entre todos os consultores com os lojistas. Atualmente, cerca de 30% dos negócios já são feitos via on-line.
  • A querida Cris Guerra, cada vez melhor no seu Instagram, mostrando como usar uma mesma peça de roupas de mil maneiras diferentes. É tudo que a mulher bacana e moderna precisa: multiplicar sem gastar. Para saber mais, entre no @eucrisguerra e veja o assunto.

Amor por pet

Seguindo os passos do seu pai, empresário José Maria Scaldini Garcia, o jovem Vinicius também investe no comércio de Nova Serrana. Seu mais recente empreendimento foi o espaço “Amor Por Pet”, com uma equipe para atendimento completo aos animais de estimação. Além dos equipamentos habituais no assunto, uma linha de complementos fashion foi lançada na loja.

PONTO FINAL.

Já falamos aqui sobre o sumiço das matérias-primas para as confecções fabricarem suas coleções. A demanda represada no primeiro semestre desaguou no consumo alto agora e, óbvio, aceleração da produção. Com isso, acabou faltando tecido, zíperes e até botões. Para completar o quadro, agora também está faltando costureiras em alguns polos de moda de Minas. Os cursos muito longos, salário não competitivo e desinteresse da nova geração em enfrentar uma máquina de costura agravam o quadro.

 

 

Coment√°rios
×