Moda polarizada

Assim como em outros setores da sociedade, também na moda a tendência para a polarização é notória – mas com o objetivo de ampliar seus nichos e oportunidades.

O crescimento exponencial do chamado fast-fashion (ou moda rápida), principalmente aquela lançada pelas grandes lojas de departamentos mundiais (como Zara e C&A), criou um enorme polo de pressão no consumo. Assim, as marcas que não se encaixam nesse tipo de roupa também tiveram que encontrar o seu nicho exato de consumo. Qualquer erro pode ser fatal.

Embora aqui essa percepção só tenha começado agora, no mercado internacional acontece há tempos. Um exemplo é do estilista norte-americano Narciso Rodriguez, que, depois de deixar a semana de moda de Nova York para repensar sua moda, voltou com algo bem limpo, comercial e criativo. Sucesso. Na outra ponta, a dupla de italianos Dolce & Gabbana reforçou seu estilo rebuscado, quase barroco, num desfile lindíssimo. Objetivo: ressaltar sua marca como algo bem sofisticado ao estilo europeu. Resumo: tem mercado para todo mundo, o problema é fazer a escolha certa.

 

Vaivém

 

  • O estilista Eduardo Amarante (que deixou a Skazi para ir trabalhar na Lança Perfume) começou ali com pé direito. Emplacou uma “collab” com a modelo Izabel Goulart para lançar uma coleção, feita a quatro mãos, em abril próximo.

  • Depois de vendida e com o seu estilista indo para outra empresa, a Skazi convidou o também estilista Fernando Silva para sua equipe. Ele faz um estilo sofisticado – que elevou a marca Unity Seven (na qual atuou por anos a fio) a um novo patamar no mercado fashion nacional.

 

  • O estilista Victor Dzenk enviando vídeo em que agradece as clientes e compartilha as mensagens recebidas. Uma ideia bacana. Sua festa de fim de ano foi com as participantes do seu projeto Costurando Sonhos, em Lagoa Santa, na região metropolitana de Beagá. Bacanésimo.

 

Ponto Final.

 

Os lançamentos de inverno 2020 nas prontas-entregas mineiras começam cedo. A maioria já marcou para o mês de janeiro, prossegue em fevereiro e termina em março. Como o Carnaval é no início de março, a maioria prefere deixar o melhor para depois da ressaca momesca. Em abril, a coisa ferve com Minas Trend e muito mais.

Comentários
×