Mineirão virou pavor

José Carlos de Oliveira

Sem a presença de sua torcida e com a equipe vivendo na corda bamba, em altos e baixos desde o início da temporada, o Mineirão, antes uma poderosa arma que o Cruzeiro tinha sobre seus adversários, agora virou quintal do inimigo, onde o time azul estrelado pena para enfrentar adversários tecnicamente inferiores a ele. Os caras vêm aqui, marcam um golzinho, se fecham lá atrás e a Raposa não acha forças para encontrar o caminho do gol. 

Jogar em casa nesta Série B para o Cruzeiro está sendo um terror.

Psicológico

O técnico Felipão já garantiu que o time ainda demorará um bom tempo para afastar esse fantasma. Para o comandante, a Raposa já entra em campo sob a pressão de ter que fazer o resultado, e isso vem prejudicando o rendimento de alguns jogadores. E é até compreensível esta falta de confiança da equipe. Com a maré em baixa, os atletas passam a não acreditar em si mesmos, e o que se vê daí para frente é esse show de horrores que já está deixando a China Azul com os cabelos em pé e sem esperança de dias melhores.

Amanhã, o Coelho

Sem tempo para reclamações, o time já vai a campo amanhã com a obrigação de fazer um bom resultado contra o América, sob pena de esfriar ainda mais o ânimo de sua sofrida torcida. Uma nova derrota no clássico contra o Coelho pode ser a gota d’água que faltava para encerrar de vez os sonhos para o restante da temporada. Se hoje as coisas já estão difíceis, novo tropeço tornará o drama ainda maior.

Para 2021

E a realidade é mesmo essa. Com o time sofrendo rodada após a rodada, a esperança do torcedor é que a equipe se reencontre neste restante de ano para entrar 2021 com mais confiança, e fazer do centenário do clube – seja na Série A ou B – realmente o ano da reconstrução do clube. 

Time feminino

Pela terceira rodada do Campeonato Mineiro de Futebol Feminino, o Cruzeiro tem hoje um importante confronto. As “Cabulosas” recebem o América a partir das 15h, em duelo que será realizado no Sesc Venda Nova, com mando de campo do adversário.

E o time estrelado vai para o clássico com reforços. Nos últimos dias, os principais desafios do elenco celeste foram fora de campo, com um total de dez atletas com testes positivos para a covid-19. E, com isso, a partida diante do Atlético, há nove dias, precisou ser cancelada pela FMF, a pedido do Cruzeiro. Na estreia na competição, contra o Ipatinga, a equipe estrelada garantiu o empate em 1 a 1, com apenas duas goleiras em todo o banco de reservas, no dia 14 de novembro.

Agora, já conta com o retorno de sete jogadoras, que, após o aval do departamento médico, passaram por um período de transição com o preparador físico e já estarão à disposição para o jogo de logo mais: as laterais Janaína e Eskerdinha, a meia Dedê, as atacantes Mariana Santos e Kim, a zagueira Tatá e a volante Capelinha.

O treinador cinco estrelas também tem a expectativa de contar com as atletas Duda e Micaelly, que foram liberadas da Seleção Brasileira Sub-20 para ajudar o Cruzeiro no duelo frente o Coelho e chegam em Belo Horizonte no começo da manhã.

Comentários
×