Minas recebe mais 220 mil unidades de remédios para kit intubação

Itens que serão disponibilizados para hospitais com baixos estoques não vieram para Divinópolis nos últimos repasses

Da Redação

Hospitais em algumas regiões de Minas Gerais ainda estão em dificuldades para atender pacientes covid-19, devido à falta de medicamentos para intubação. No entanto, a situação pode ser pelo menos amenizada nos próximos dias. O Estado recebeu neste sábado, 1º, mais medicamentos do kit intubação para atender hospitais que se encontram em níveis considerados críticos pela ausência do remédios. A aquisição da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) conta com 220 mil ampolas de fentanil, medicamento essencial para a sedação de pacientes com coronavírus em estado grave.

A relação das unidades de saúde comtempladas com os medicamentos e a quantidade que será enviada não foram informadas. A expectativa é de que os sedativos sejam disponibilizados a partir desta segunda-feira,3.

Vale lembrar que, nos últimos dois repasses feitos pela SES, Divinópolis não recebeu nem um kit.

Distribuição

Nesta próxima semana, os sedativos serão disponibilizados para as unidades hospitalares, quando também será divulgada a relação e quantitativos que cada estabelecimento irá receber.

A SES-MG, juntamente com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems-MG), faz levantamento periódico dos estoques dos prestadores e fornecedores de medicamentos e insumos das unidades hospitalares. Também é monitorado o abastecimento de medicamentos nas redes públicas e privadas de assistência médico-hospitalar, que devem informar regularmente à SES-MG sobre o quantitativo de estoques de medicamentos e insumos disponíveis.

Assim que cada remessa chega ao estado, o resultado do monitoramento semanal é analisado, conforme explica a superintendente de Assistência Farmacêutica, Grazielle Dias.

— A distribuição é feita a partir do resultado dessa análise, de quais hospitais estão em situação mais crítica e de acordo com a disponibilidade do estoque. A sugestão de distribuição é também avaliada e validada junto a uma comissão da SES-MG e do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems-MG) — disse.

O monitoramento é feito por meio de um formulário online preenchido por cada instituição hospitalar a respeito de seus estoques. O cadastro fica aberto de quinta a segunda-feira, período no qual os dados sobre medicamentos são computados.

Com base nessas informações, o Estado tem um panorama dos estoques de medicamentos das instituições no momento em que cada estabelecimento de saúde repassa seus respectivos dados. Estes indicadores também são utilizados para dimensionar compras estaduais, visando retaguarda assistencial, sem prejuízo de atendimento a situações específicas.

Comentários
×