Minas dá início à campanha de vacinação contra a gripe

Imunização, que vai até 9 de julho, foi dividida em etapas para evitar aglomeração de pessoas

Da Agência Minas

A 23ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza começou nessa segunda-feira, 12, com a meta de imunizar 90% do público prioritário, composto por aproximadamente 8,4 milhões de pessoas em Minas Gerais. Até o dia 9/4, o Ministério da Saúde encaminhou ao estado 663.800 doses, que já estão sendo distribuídas para as 28 Unidades Regionais de Saúde.

Dividida em três fases, a campanha tem como objetivo evitar aglomerações nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e favorecer o planejamento dos municípios para atender os grupos prioritários. De acordo com a coordenadora estadual do Programa de Imunizações da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), Josianne Dias Gusmão, a primeira etapa ocorrerá até o dia 10 de maio e está direcionada à imunização de crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes e puérperas, povos indígenas e trabalhadores da Saúde.

“Se, no momento da vacinação, a pessoa estiver incluída no grupo prioritário para a imunização contra a covid-19 e, também, para influenza, a recomendação é que seja priorizada a vacinação contra o novo coranavírus. O reagendamento para a imunização contra a gripe deve ser programado para 14 dias após a aplicação da dose contra a covid-19", afima.

“O intervalo entre as duas vacinas é necessário para que seja possível avaliar algum evento adverso referente a cada imunizante. Caso a pessoa vacinada apresente algum sintoma, será possível identificar a vacina administrada”, orienta Josianne.

Segundo a coordenadora, a vacina contra a gripe, assim como a da covid-19, reduz as complicações, as internações e a mortalidade decorrentes das infecções pelas duas doenças, por isso é fundamental que os públicos prioritários compareçam às Unidades Básicas de Saúde nas etapas programadas.

Idosos e professores

A segunda fase da campanha começa no dia 11 de maio e vai até o dia 8 de junho, com foco nos idosos com mais de 60 anos e nos professores das escolas públicas e privadas. “A inclusão dos idosos nesta etapa tem objetivo de possibilitar maior tempo para a imunização desse grupo contra a covid-19 e ocorrer o intervalo mínimo de 14 dias, prazo preconizado entre as duas vacinas”, reforça Josianne Gusmão.

Última etapa

Já na terceira e última fase, que começa em 9 de junho, devem receber a vacina pessoas com comorbidades, pessoas com deficiência, trabalhadores de transporte coletivo, portuários, Forças de Segurança e salvamento, Forças Armadas, funcionários do sistema de privação de liberdade, população privada de liberdade e adolescentes e jovens em medidas socioeducativas.

A campanha termina no dia 9 de julho e as etapas ocorrerão simultaneamente em todos os municípios mineiros. “A vacina contra a influenza é a medida de prevenção mais importante para proteger contra o agravamento da doença, como hospitalizações e óbitos. Principalmente, nesse momento de pandemia, em que os serviços de Saúde estão sobrecarregados por causa da covid-19”, alerta Josianne Gusmão.

Recomendações

Diante dos casos da covid-19, a orientação da SES-MG é para que os municípios organizem suas salas de vacinação e desenvolvam estratégias de imunização de modo que não haja aglomeração. Cada cidade terá autonomia para definir conforme a própria realidade e cenário epidemiológico.

Entre as estratégias que podem ser adotadas está a organização das UBS com horário de funcionamento estendido, para assegurar o acesso da população à vacina durante todo o horário do serviço. Outra recomendação é a disponibilização de um local específico na unidade de Saúde para vacinação contra a gripe, de modo que não prejudique os demais atendimentos e nem a campanha de vacinação contra a covid-19.

É indicada uma triagem, principalmente, no momento da identificação do usuário, para avaliar situações de adiamento, precauções gerais, contraindicações em relação à vacinação e manter uma comunicação com a equipe da vigilância do município para o rastreamento e monitoramento de casos suspeitos de doenças respiratórias.

 

Comentários
×