Mercado na expectativa pós eleições

 

Jorge Guimarães

Após os resultados das urnas do último domingo, o mercado financeiro ficou na expectativa da semana que se iniciava nesta segunda-feira, 29. Mas, no fim do dia, o dólar fechou em alta, de 1,51%, no primeiro dia de negócios pós eleições, isto após a moeda cair abaixo de R$ 3,60, no entanto mudou de rumo com investidores aproveitando os preços atrativos para irem às compras. Assim, o dia foi de sobe e desce no mercado financeiro e para muitos ainda os rumos da economia são uma incógnita após a vitória de Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições presidenciais.

Futuro

A reportagem conversou com o especialista em finanças Célio Tavares. Para ele, ainda é muito cedo para discutir sobre a economia para o ano de 2019.

— Como Jair Bolsonaro (PSL) é uma novidade, tudo passa ser uma incógnita em referência à economia do Brasil daqui alguns meses. Senão, vejamos, o perfil do futuro ministro da economia, Paulo Guedes, é de banqueiro, para tanto leva que o Estado tem o mínimo, preferindo a privatização. O Zema prega o neoliberalismo, que também leva às privatizações, sendo assim, tudo indica que teremos privatizações tanto a nível estadual como federal. E, com isso, o Mercado Internacional pode ficar retraído, em investir no país, esperando um pouco mais —avaliou Célio Tavares.

Também para o economista Leandro Maia o tempo agora é de espera e de aguardar os primeiros atos da equipe econômica.

— Não vejo o futuro tão otimista quanto alguns brasileiros, temos que ter os pés no chão. Não sabemos, ainda qual vai ser o rumo, as estratégias que a nova equipe econômica vai tomar. Ela terá que arrumar casa primeiro, assim os investimentos públicos a médio prazo vão ser reduzidos.  O único investimento que pode acontecer é o da iniciativa privada, olhando por este lado, a meu ver, a curto prazo, vai ser sem muitas melhoras —finaliza.   

 

Comentários
×