Mais de 2 mil não tomaram segunda dose contra HPV em Divinópolis

Rafael Camargos

Mais da metade da população brasileira pode ter HPV. É o que indica pesquisa feita pelo Ministério da Saúde (MS), em parceria com o Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre. Em Divinópolis, 4.558 pessoas foram vacinadas na primeira dose, mas a cobertura final da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) chegou apenas ao número 2.539 neste ano. Aproximadamente 2.019 pessoas não retornaram para tomar a segunda dose.

De acordo com a médica epidemiologista, Eliana Wendland, várias pessoas vão ter contato com o vírus e nunca vão apresentar sintomas durante a vida.

A pesquisa do MS ouviu 7.586 pessoas das quais 2.669 foram analisadas para tipagem de HPV. Das testadas, a prevalência de HPV foi de 54,6%, sendo que 38,4% dos participantes apresentaram HPV de alto risco para o desenvolvimento de câncer.

Foram pesquisadas pessoas com idade entre 16 e 25 anos que usam o Sistema Único de Saúde (SUS), sendo 5.812 mulheres e 1.774 homens. A média de idade é de 20,6 anos. O estudo indica que 16,1% dos jovens têm uma infecção sexualmente transmissível (IST) prévia ou apresentaram resultado positivo no teste rápido para HIV ou sífilis.

A maior parte está em uma relação estável – mais de 40% estavam namorando e cerca de 33% eram casados ou moravam com o parceiro. Apenas 24,2% declararam-se solteiros e menos de 1%, divorciados.

Risco alto

O comportamento sexual de risco, segundo o ministério, foi observado em 83,4% dos entrevistados. Isto porque a média de parceiros sexuais no último ano foi de 2,2 e a média de parceiros nos últimos cinco foi de 7,5. A prevalência do HPV deve estar associada ao não uso da camisinha. Conforme a pesquisa, 51,5% dos entrevistados disseram usar preservativo rotineiramente – 41,1% haviam feito uso do contraceptivo na última relação sexual.

A versão final do estudo deverá abarcar informações sobre fatores demográficos, socioeconômicos, comportamentais e regionais associados à ocorrência do HPV. A expectativa do Ministério da Saúde é que o estudo seja divulgado em abril do ano que vem.

— Os jovens estão reduzindo o uso do preservativo e essa redução é exatamente nessa faixa etária em que estamos verificando maior aumento de HIV, maior aumento de infecção pelo HPV — finalizou.

Preliminar

Os dados são preliminares, e a análise será feita em 2018. Nesta semana, o ministério disponibilizou informações relativas às capitais. Salvador é a que tem maior prevalência de HPV, que atinge 71,9% dos entrevistados. Macapá, Cuiabá e Palmas ultrapassam 60% de prevalência. Recife, Florianópolis, Maceió, João Pessoa e Curitiba têm entre 41% e 48% de ocorrências registradas. Já Manaus, Belém, Boa Vista, São Paulo, Natal, Porto Velho, Fortaleza, Goiânia, Teresina, Rio de Janeiro, Aracaju, Vitória, Rio Branco, Porto Alegre e São Luís estão na faixa de 50%. Brasília, Campo Grande e Belo Horizonte ainda não têm dados suficientes para análise.

Comentários
×