Maconha lidera o número de apreensões em Divinópolis

 Gisele Souto

A apreensão de aproximadamente 100 quilos de maconha, ontem à tarde, confirma as informações das polícias Militar e Civil. A droga lidera o ranking de apreensões na cidade. E, em 2019, não tem sido diferente. Os números dos primeiros dois meses ainda não foram contabilizados, mas, de acordo com os chefes das duas polícias, não resta dúvida de que a droga está presente em praticamente todas as ocorrências. Consequentemente, o tráfico de drogas também domina os crimes praticados na cidade.

100 quilos

Na ocorrência da tarde desta quinta-feira, a Polícia Militar recebeu uma denúncia anônima, informando sobre um carro roubado que estaria guardado em uma lanternagem. No entanto, descobriram muito mais.

No local, os militares encontraram um veículo Chevrolet Cruze, com placa clonada, e que havia sido roubado em Santo Antônio do Monte. Também foi abordado um jovem, de 19, e um menor, de 16 anos.

Em conversa com os suspeitos, os militares descobriram algumas informações que os levaram ao bairro Belo Vale, onde fica a casa do mais velho. Na residência, localizaram duas armas de fogo: uma submetralhadora 9mm e uma pistola calibre 7,65mm, juntamente com 125 munições.

No quintal, os policiais perceberam que a terra estava remexida, e, após cavarem um buraco, encontraram as drogas, 105 tabletes de maconha, em dois barris. Também foi localizada uma balança utilizada para pesagem dos entorpecentes.

O jovem de 19 anos foi preso. A namorada dele, de 17, que estava na casa, e o menor foram apreendidos. Os três foram levados à delegacia da Polícia Civil, onde prestaram novas informações.

Lidera

Além de afirmar que a maconha é a droga mais apreendida em Divinópolis, o comandante do 23º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel Rodrigo Coimbra, revela que o tráfico de drogas está relacionado com os demais crimes violentos, como roubos e homicídios.

— A ocorrência da maconha apreendida ontem à tarde é um exemplo. Além da quantidade da droga, havia outro crime envolvido, o roubo de carro — arremata.

O delegado regional, Leonardo Pio, divide a mesma opinião.  Porém, ele acrescenta o crack na incidência da demanda policial. De acordo com o delegado, a média de ocorrências varia entre sete e dez por dia. 

— Destaco também os crimes patrimoniais, que estão entre os primeiros, junto com o tráfico — fala.

Prevenção

É para prevenir e combater crimes como estes que a PM desencadeou na última segunda-feira, 11, a operação “Asfixia” fase dois, em praças e bairros da cidade. O objetivo é a prevenção a crimes violentos e homicídios na região, além do combate ao uso e tráfico de drogas. Locais como praça Candidés, morro da Pitimba e região do estádio Farião, no bairro Porto Velho, são alvos.

— A meta é dar tranquilidade à população que transita por estes locais — completa o tenente-coronel Rodrigo Coimbra.

Comentários
×