Lote acumula toneladas de entulhos no Vila Cruzeiro

Moradora transformou espaço em depósito de materiais; Prefeitura promete acionar justiça

Paulo Vitor Souza 

O acúmulo de lixo em lotes vagos continua sendo uma das queixas mais recorrentes da população em Divinópolis. Além de representar risco para os vizinhos, o problema se arrasta há vários anos e está na lista de ambientes que podem facilitar a proliferação de endemias, como a dengue. 

Da Vila Cruzeiro, região central da cidade, vem um exemplo que está preocupando moradores, há meses. Na rua Professora Alice Sabatine, um lote utilizado por uma moradora da casa vizinha acumula lixo e materiais recicláveis. O amontoado de papelão, ferro e madeira está a céu aberto e propenso a acidentes, como incêndios. Uma das moradoras da região informou que os vizinhos já fizeram várias tentativas de negociação com a locadora e com a inquilina responsável pelo material acumulado.

— Desde o segundo semestre do ano passado, sofremos com a situação. Desde o primeiro dia após a chegada da moradora estamos tentando junto à locadora para retirá-la do imóvel, mas sem sucesso. Assim que fechou contrato ela começou a utilizar o imóvel alugado e o lote vizinho como depósito — disse uma moradora que prefere não se identificar. 

Ela explica que, embora antigo, o problema já foi levado a conhecimento do setor responsável na Prefeitura. Ela enviou à reportagem cópia de e-mail direcionado ao Município datado de 17 de dezembro de 2019. Na resposta, a Administração  prometeu retorno assim que Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) desse parecer a respeito do problema.

— Fizemos denúncia no site da Prefeitura, posteriormente para o fiscal de postura do Meio Ambiente. Solicitamos ajuda também dos agentes de saúde que fazem mensalmente a vistoria nos quintais, e ligamos para a Secretaria de Meio Ambiente no telefone dado pelo agente de saúde — ressaltou.

Mesmo com todas as tentativas, o lote ainda continua ocupado pelo entulho. 

Uma segunda moradora, que também conversou com a reportagem, revelou que metade do  imóvel já está ocupado pelos materiais.

— Além de alugar e ter feito a casa de depósito de lixo, ela [coletora de materiais recicláveis] também invadiu o lote ao lado, e a metade dele já está cheia.  Temos praticamente um lixão bem no Centro da cidade, de onde sai rato, barata e mau cheiro — desabafou.

Ofensa

De acordo com moradores ouvidos pelo Agora, a responsável pelo entulho é conhecida na cidade. Eles disseram que a mulher é de temperamento hostil, e que inclusive já agrediu verbalmente algumas pessoas que tentaram resolver o problema.

— A grande maioria, senão todos os vizinhos têm medo dela. Não se pode sequer chegar na janela, pois são agredidos de forma grosseira e desrespeitosa com palavrões e gestos — revelou uma moradora.

Prefeitura

A reportagem enviou à Prefeitura a cópia do e-mail de dezembro de 2019 em que moradores denunciam o problema com o acúmulo do lixo no lote. A Administração informou que já recebeu outras reclamações formais sobre o mesmo endereço.  Explicou que o problema ainda não foi resolvido pelo fato de ser um endereço fechado, já que o lote conta com muro. 

A reportagem questionou ações anteriores como a que ocorreu no fim do ano passado, quando, depois de denúncia, a Vigilância em Saúde retirou 600 quilos de lixo em uma casa no bairro Ipiranga. Sobre isso, disse que neste caso houve o contato direto com o proprietário do imóvel e que ainda não tem ciência de quem seja o responsável pelo lote 282 da rua Professora Alice Sabatine. 

Entretanto, a Administração disse que vai acionar judicialmente o responsável pelo imóvel para que  faça a remoção dos materiais. Por fim, a Prefeitura reforçou que é necessário que em todos os casos haja a denúncia formal realizada por telefone ou site.

Denuncie

A Prefeitura tem um meio oficial para denúncias. O aplicativo “App Divinópolis” está disponível para IOS e Android. Só no período de outubro a dezembro do ano passado, com o lançamento da plataforma, o canal recebeu mais de 300 denúncias em relação a lotes em má conservação.

Comentários
×