Julho tem apenas uma morte a menos que junho

Números comprovam crescimento de casos na cidade e secretário reforça alerta

Da Redação

O crescimento no número de casos confirmados de covid-19 não é o único indicador que causa preocupação. Após apenas três mortes em abril e maio, junho e julho já somam 17 óbitos. A taxa de letalidade em Divinópolis é maior, inclusive, que a média do estado. A situação, apesar de preocupante, não tem impedido o estudo de novas flexibilizações na cidade, que prepara a volta das feiras livres.

Até ontem, o Município contabilizava 4.700 casos notificados (na última sexta eram 4.368). Destes, 837 foram testados e 525 deram positivo (438 já recuperados), 307 foram negativos e cinco estão em análise. Nenhuma morte estava sob investigação.

A taxa de ocupação dos leitos específicos para pacientes com suspeita de covid-19 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) está em 30,9%. Atualmente, são 40 pacientes com quadro sintomático para a doença em setores de enfermaria e 29 em UTIs.

Mortes

Em Divinópolis, a maior parte das vítimas são idosos com histórico de comorbidades, ou seja, a existência de outra doença anterior à covid, que pode ser agravada pelo vírus. Conforme as informações divulgadas pela Prefeitura diariamente, das 20 mortes, apenas três pacientes tinham menos que 60 anos de idade. Deste total, nove óbitos ocorreram na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), onde foi montado o hospital de campanha.

O mês mais letal até o momento foi junho, com nove mortes registradas. Porém, julho, com 11 dias restantes, pode superar essa marca. Apenas nestes 20 primeiros dias deste mês, a cidade já contabilizou oito óbitos, com o recorde de mortes por dia: três no último dia 10. Apesar de a segunda semana ter registrado cinco óbitos, na última foi apenas um.

A primeira morte registrada na cidade em decorrência da doença ocorreu em abril e foi a única daquele mês. Em maio, foram dois registros fatais. 

Diante do aumento no números, o secretário de Saúde, Amarildo Sousa, voltou a reforçar a importância do papel da população em aderir ao isolamento social.

—  Se não mudarmos nossas mentes e agirmos com responsabilidade, os números subirão rapidamente, nos obrigando a tomar novas medidas de enfrentamento. Por isso pedimos que não façam festinhas, saiam só para o necessário, usem máscaras, higienizem as mãos e evitem todo tipo de aglomerações. Precisamos lutar contra essa doença juntos — orientou o secretário.

Em Divinópolis, a taxa de letalidade da covid-19 é de 3,81%.

Estado

A situação em Minas Gerais também não é confortável. O estado chegou ontem a marca de 2.004 mortes, além de 94.132 casos confirmados, sendo 66.369 já recuperados. Os números, porém, devem ser ainda maiores, já que o estado contabilizou apenas 14 mortes em Divinópolis. A taxa de letalidade no estado é de 2,1%.

A expectativa, como dito pelo secretário de Estado de Saúde (SES-MG), Carlos Eduardo Amaral, é positiva.

— Há cerca de uma semana, observamos uma flutuação no número de ocupação de leitos que indica tendência de estabilidade. Quando analisamos a data dos óbitos, que é diferente da data da confirmação das mortes, também identificamos uma propensão à estabilização. Isso significa que realmente há uma tendência a não termos um pico — comunicou ontem.

Feiras

Apesar da expectativa de manutenção das regras atuais, a Prefeitura autorizou a ampliação das flexibilizações, desta vez das feiras. A primeira a voltar, a do Esplanada, acontece já neste sábado, 25. 

Conforme pontuou o secretário de Saúde, Amarildo Sousa, o momento será de transição e, para além da obrigatoriedade do distanciamento e do uso de máscara, medidas como a instalação de pias para higienização das mãos devem ser adotadas.

— Entre os feirantes já ficou ajustado a distância mínima de 3 metros entre cada barraca — explicou o órgão. 

Para garantir a segurança dos feirantes e consumidores, o secretário de Agronegócios (Semag), Gustava Mendes, sugeriu que a feira do Esplanada seja um modelo piloto para as demais. Assim, após todos os ajustes necessários, as demais feiras terão sua abertura autorizada.

Além do Esplanada, há feiras nos bairros Niterói, Interlagos, Serra Verde, Icaraí, Planalto e Porto Velho, e a feirinha na Praça do Santuário e no Lago das Roseiras. 

Comentários
×