Janeiro Branco: pressão do trabalho e questões afetivas podem prejudicar saúde mental

Da Redação

A humanidade nunca dependeu tanto de remédios quanto agora, principalmente aquele contra ansiedade e depressão. O brasileiro é o povo que mais sofre de ansiedade no mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 9,3% da população do país está acometida pelo chamado mal do século, e mais, 86% dos brasileiros sofrem de transtornos mentais, incluindo a depressão.

Não é possível apontar, de maneira genérica, o que vem desencadeando essas doenças mentais. Cada pessoa está imbricada em uma realidade diferente das outras, com suas dificuldades e contratempos. Isso quer dizer que a causa para a falta de saúde mental é variada, mas é possível apontar alguns responsáveis por estes transtornos.

Com o processo de globalização e tecnologização das atividades humanas, surgiu a falácia de que o homem iria diminuir o esforço em várias áreas. As máquinas não acabaram com o estresse do trabalho e tampouco auxiliaram na resolução de problemas afetivos da humanidade.

Algumas das pressões mais fortes estão relacionadas aos dilemas do ambiente de trabalho. A necessidade de demonstrar bons resultados ou até mesmo a dificuldade de relacionamento com alguém da equipe tem deixado as pessoas mais suscetíveis a doenças mentais. Ambientes de trabalho reproduzem a lógica mercadológica da produtividade em massa, o que acaba por desconsiderar as particularidades dos empregados. Um ambiente de trabalho menos estressante pode ser uma solução prática para os transtornos emocionais advindos da área profissional. Além disso, empresas têm apostado em atuações pautadas nos princípios da cooperação, e não da competição entre funcionários.

Soluções

Na temática deste mês, o Janeiro Branco, é preciso apontar, ainda que minimamente, alguns caminhos que podem contribuir para a saúde mental. O psicólogo Luís Henrique Novais afirma que saúde mental está atrelada aos relacionamentos construídos socialmente, e que o equilíbrio entre as diferentes áreas da vida é sempre um bom remédio.

— Temos que entender que saúde mental é também de relações humanas. Dessa maneira, ter tempo para boas conversas, práticas sociais, culturais e esportivas também são fatores que promovem a saúde mental. Devemos equilibrar nosso tempo de obrigações e deveres para assim termos tempo para descontrair e criar interações com as pessoas que são queridas — ressalta.

Afetos

Dificuldades emocionais também são causadoras de problemas na saúde mental. Daí a necessidade de reflexão acerca da qualidade dos relacionamentos que temos construído em toda a vida. Como a própria palavra diz, afeto é a capacidade de um indivíduo deixar-se afetar por alguma coisa ou algum sentimento.

Frustrações amorosas, pessoais e relacionamentos abusivos contribuem para o desenvolvimento de doenças mentais graves, que podem trazer consequências irreversíveis para pessoas que enfrentam estes problemas.

O Janeiro Branco, por ser o primeiro mês do ano, traz essa simbologia de recomeço, quando metas são traçadas para o ano. Por isso a necessidade de colocar a saúde mental em primeiro plano. A psicóloga Francielle Orsini afirma que o acompanhamento psicológico e o uso de terapias são os procedimentos mais indicados visando à saúde mental.

— O acompanhamento é importante para termos a autonomia de decidir as circunstâncias colocadas em nossas vidas. Um amadurecimento psicológico é poder trabalhar a nossa relação com nós mesmos e com outro que vivemos, dentre mais coisas que o acompanhamento psicológico nos proporciona — defende.

A psicóloga também afirma a necessidade da reflexão sobre os relacionamentos criados.

— Outra dica também é procurar ser um pouco egoísta, no sentido de pensar primeiramente em você e se perguntar: o que me faz mal, o que me faz bem? E, sempre que possível, tire um tempo para você fazer as coisas que você gosta , afaste-se também das relações tóxicas, sejam elas quais forem. Muitas vezes escutamos que é egoísmo de cuidar de nós mesmos, mas na verdade é um ato de amor próprio, com nós mesmos — finalizou.

Comentários
×