Inverno gelado

Como todo o resto do país, o vírus que veio da China está mexendo profundamente com o circuito fashion. Além de cancelar as duas principais iniciativas do setor marcadas para abril (a São Paulo Fashion Week e a Minas Trend), refletiu nas vendas de lançamentos do inverno 2020, em pronta-entrega, e está atrasando a chegada das roupas invernais nas lojas de todo o país.

Quanto às vendas nas prontas-entregas por atacado (que é o forte da moda feita em Minas), os problemas já haviam começado com o Carnaval  – ocorrido no pior momento do calendário para quem vende moda no atacado. Quando a brisa suave de inverno começava a soprar, veio a onda do coronavírus. E congelou as esperanças.

Agora, as confecções estudam modos de minimizar o efeito na produção (incluindo reescalonamento do pessoal que trabalha ali) e, também, como amenizar os efeitos terríveis no baixo faturamento das empresas & marcas. Resta-nos torcer para que essa onda passe logo.

 

Vaivém

 

Home office

Com a turma trabalhando mais em casa, o chamado home office, a moda que aparece acima da linha de mesa ganhou força. Como nas transmissões via internet só aparece metade do corpo, capricham na camisaria. Neste aspecto, as fashionistas foram contempladas com a tendência dos ombros enormes voltando para a moda, como nos anos 1980, mostradas nas coleções invernais da Europa – mês passado. Só que maiores ainda.

 

Sindinova

A suspensão de eventos de moda em razão do coronavírus não ficou apenas com a Minas Trend e São Paulo Fashion Week. A feira de calçados de Nova Serrana, programada pelo Sindinova para a semana passada, foi adiada para o mês de agosto. Com vários estandes vendidos e compradores programados, indicava sucesso – como outras já realizadas ali.

 

Ponto final.

Uma pesquisa feita pela Associação Brasileira da Industria Textil (Abit), na semana passada, indicou que cerca de 51% das empresas do segmentos têxtil & confecção já sentem efeitos do vírus. Entre esses, 63% tiveram seus pedidos cancelados ou adiados, e 56% contaram com alteração nos custos dos insumos. A maior parte das empresas (93%) já tomaram medidas de prevenção contra o coronavírus. Entre as principais ações estão a adoção de home office por parte da equipe, distribuição de álcool em gel, luvas e máscaras, horário flexível, informativos, cancelamento de viagens ao exterior, entre outras.

 

Foto/ Reprodução

LEGENDA/Fendi

Comentários
×