Integrantes do PCC presos ficarão em único presídio

 

Gisele Souto

Mais uma megaoperação foi desencadeada nesta quinta-feira, 5, em busca dos chefes Primeiro Comando da Capital (PCC) em Minas Gerais. A organização criminosa é apontada como responsável por incendiar ônibus e prédios públicos do Estado, desde o início do ano passado. A primeira ação, com diversos presos, foi deflagrada na madrugada desta terça-feira, 4, quando diversas pessoas foram presas. Entre elas, um em Divinópolis com extensa ficha criminal.

Foram cumpridos 28 mandados de prisão preventiva e 27 de busca e apreensão. Os detidos serão levados para um único presídio — não informado por questão de segurança —, onde cumprirão pena em celas isoladas e sem direito a banho de sol.

A ação foi realizada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), com o apoio da Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) e das polícias Militar e Civil, que divulgaram um balanço da ação na manhã desta quarta-feira.

Presos

No dia 21 do mês passado, o MPMG, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da 13ª Promotoria de Justiça da capital, já havia oferecido denúncia à 2ª Vara de Tóxicos da Comarca de Belo Horizonte contra 28 pessoas pela prática dos crimes de organização criminosa com emprego de arma de fogo, associação para o tráfico, incêndio em edifício público e veículo de transporte coletivo, por nove vezes, e dano qualificado.

Segundo o Gaeco, os 28 denunciados são membros da cúpula do Primeiro Comando da Capital (PCC) em Minas e ocupam função diretiva na organização. Deles, 25 encontram-se presos em dez estabelecimentos prisionais localizados no estado, incluindo as três pessoas presas na operação desta quinta-feira. Um dos alvos está recolhido no Presídio Federal de Campo Grande. Conforme o Gaeco, os outros dois denunciados soltos são foragidos e não têm endereço conhecido, razão pela qual não foi requerida medida de busca e apreensão.

Na operação de ontem, a força tarefa cumpriu mandados em: Contagem, Passos, Uberaba, Uberlândia, Guaxupe, Patrocínio, Três Corações, Cambuí, Ituiutaba, Alfenas, Itaú de Minas e Bom Repouso. Na região, em Pará de Minas.

Transferência

Foi determinada ainda pela Justiça a imediata transferência dos presos que se encontram em território mineiro para unidade prisional adequada, onde eles serão mantidos em Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), com isolamento dos demais detentos e restrições a benefícios previstos na Lei de Execução Penal.

Os detalhes foram passados pela coordenadora do Gaeco, Cássia Virgínia Gontijo.

Ataques no estado

Conforme dados das forças de segurança do estado, até junho deste ano foram registrados 105 ataques a ônibus, delegacias e prédios públicos em 40 cidades mineiras. Foram presas 90 pessoas envolvidas nesses crimes e apreendidos 16 adolescentes.

Segundo o Gaeco, as investigações continuam no interior do estado para responsabilização dos chefes e de outros envolvidos nos ataques criminosos praticados.

 

Comentários
×