Inquérito investigativo

Preto no Branco

Apenas isso. É o que existe até o momento a respeito da investigação envolvendo os delegados da Polícia Civil Ivan Lopes e Leonardo Pio. Já se passaram nove meses, período em que já houve a troca na direção geral da PC em Minas Gerais. De novidade, até o momento, apenas a mudança pela segunda vez de função de Ivan Lopes. Não existe nem processo ainda, só um inquérito investigativo, porém, sem conclusão. Questionado, o comando da PC se limitou apenas em dizer por meio da assessoria de comunicação que as investigações estão em andamento e sob segredo de Justiça. Só para lembrar que a mesma população que acompanhou o alvoroço da operação “One Way” aguarda um desfecho. E é da imprensa que ela cobra. 

Segunda semana 

Divinópolis, a exemplo dos demais municípios mineiros, entra na segunda semana de onda roxa. Com ela, a expectativa de que os números melhorem e, a partir da próxima, se consiga migrar pelo menos para a vermelha, onda também restritiva, mas pelo menos com abertura do comércio que, quando começou a se recuperar, voltou à estaca zero. Mas isso vai depender exclusivamente do comportamento do povo que insiste em descumprir normas fundamentais para frear o vírus. Desobediência vista de forma clara na primeira semana nas ruas da cidade. Ainda bem que encontrou na parceria entre Prefeitura e Polícia Militar (PM) uma grande barreira. Porque, mais uma vez, se dependesse da boa vontade e da empatia de muitos, o vírus iria “deitar e rolar”.  

Resultado assustador 

Relatório de transparência do Minas Consciente divulgado na semana passada comprova que conter a pandemia é uma responsabilidade de todos. O resultado apresentado na reunião do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 debatido na última quinta-feira, 18, apontou  um aumento de 12 pontos no grau de risco da microrregião de Divinópolis, passando de 17, na semana anterior, para 29 pontos. Já a macrorregião Oeste, que conta com 53 municípios, subiu de 23 para 24 pontos. Ainda bem que os dados são da semana do dia 8, pois, se fossem da semana passada, as chances de sair da onda roxa nos próximos dias eram mínimas. O comércio está sacrificando e fazendo a sua parte, pela milésima vez, faça a sua população! Vale ressaltar que ninguém é culpado por esta situação horrível pela qual estamos passando, mas todos são responsáveis em ajudar a sair dela. 

A esperança 

E o reflexo de tanta desobediência e falta de amor ao próximo são os hospitais superlotados. A UPA e o Complexo de Saúde São João de Deus, únicos a atender pelo Sistema único de Saúde (SUS), são exemplos disso, com 100% de lotação até a noite de ontem. A esperança agora é a abertura dos leitos no Hospital Público Regional. Técnicos do Governo do Estado estiveram na unidade na última sexta-feira e a Prefeitura espera abri-los no próximo mês. E a expectativa aumenta, já que o Ministério da Saúde (MS) autorizou mais 2,7 mil leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adulto em 22 estados para atendimento exclusivo aos pacientes graves com covid-19, em caráter excepcional e temporário. A Portaria nº 499/21 autoriza 1.280 leitos de UTI adulto para o reforço da estrutura hospitalar em mais de 50 municípios nos estados da Bahia, Maranhão, Piauí, Rio Grande do Sul e São Paulo. Já a de nº 501/21 autoriza a instalação de 1.499 leitos de UTI adulto em mais de 70 municípios no Acre, Alagoas, Amapá, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, Sergipe, Tocantins e o Distrito Federal. A autorização é a nova modalidade de apoio financeiro dada pelo MS, que substituiu a habilitação de leitos. O governo federal arca com parte das despesas, mas agora o pagamento não é mais antecipado, e sim mensal. Amém! Enquanto essa medida não passa a funcionar, façamos a nossa parte.



Comentários
×