Indústrias mineiras enfrentam dificuldade para conseguir insumos e matérias-primas

É o que aponta a Sondagem Especial, pesquisa divulgada pela FIEMG

Da Redação

A oferta insuficiente de insumos e matérias-primas vem prejudicando a retomada da atividade pelas indústrias mineiras, segundo a pesquisa Sondagem Especial divulgada nesta sexta-feira, 9, pela Fiemg.

De acordo com a Federação, a redução da produção ou, em alguns casos, a paralisação em várias empresas no período mais agudo da pandemia da covid-19, em 2020, resultou na diminuição do nível de estoques das indústrias. Com a inesperada recuperação da economia nos meses seguintes, houve um descasamento entre a oferta e a demanda de produtos e, desde então, as empresas vêm enfrentando problemas na aquisição de insumos e matérias-primas.

Segundo a pesquisa Sondagem Especial realizada em fevereiro com indústrias dos segmentos extrativo e de transformação, cerca de três em cada quatro empresas enfrentaram escassez de matérias-primas ou insumos domésticos e importados. Mais da metade delas passou por dificuldades para atender à demanda.

Mas, na avaliação da maioria dos industriais (89%), a situação do mercado de insumos e matérias-primas nacionais se normalizará ainda em 2021. No que se refere aos insumos importados, 84% deles acreditam que a regularização ocorrerá ainda neste ano.

Dificuldade para atender a demanda

Mais da metade das empresas (51%) enfrentou dificuldades para atender aos pedidos de seus clientes. Desse percentual, apenas 7% das indústrias afirmaram que grande parte da demanda não foi atendida, enquanto 44% delas disseram que uma pequena parte dos pedidos não foi atendida.

Dentre as indústrias que encontraram problemas, 53% afirmaram que a dificuldade para atender aos pedidos aumentou ou aumentou muito entre outubro de 2020 e fevereiro de 2021. Para 30% delas, a dificuldade continuou a mesma e, para 17%, o problema diminuiu no período.

Dificuldade para conseguir insumos e matérias-primas

Três em cada quatro indústrias enfrentaram dificuldades na obtenção de insumos e matérias-primas domésticos, ainda que pagando mais caro por eles. Quando questionados sobre a perspectiva de normalização da oferta de insumos, menos da metade dos empresários (46%) acredita que o mercado voltará à normalidade no primeiro semestre do ano. Cerca de 43% crêem que a normalização ocorrerá no segundo semestre, e 11% acreditam em normalização a partir de 2022.

A maior parte das empresas entrevistadas (64%) utiliza em seu processo produtivo insumos e matérias-primas importados. Dentre elas, 69% relataram dificuldade na aquisição desses insumos e matérias-primas, mesmo que pagando mais caro por eles, sendo que 24% das indústrias alegaram muita dificuldade.

Confira a integra da Sondagem Especial - Mercado de insumos e matérias-primas.

Comentários
×