Indústria regional gera menos 2,4 mil empregos em 2019

 

Pablo Santos

O emprego nas empresas do Centro-Oeste em 2018 atingiu números superiores aos registrados no mesmo período deste ano. A diferença nos primeiros cinco meses de 2019 contra o exercício anterior é de 2,4 mil postos de trabalho a menos. Um estudo da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), em 76 municípios da região, apontou um declínio forte dos veículos automotores, obras de infraestrutura, borracha e produtos químicos.

Conforme os números apresentados pela Fiemg, foram gerados neste ano nas indústrias regionais 3.812 empregos nos primeiros cinco meses. Já no mesmo período de 2018, o volume alcançou 6.217 oportunidades criadas nas indústrias regionais.

No Centro-Oeste de Minas, o setor calçadista é disparado o maior gerador de emprego da região. No entanto, neste ano, o segmento amarga um menor volume de postos de trabalho criados. De janeiro a maio, foram 2.244 vagas abertas no segmento. No mesmo período do ano passado, foram criadas 2.998, apontaram os dados da Fiemg.

A metalurgia também sofreu forte impacto em 2019. De acordo com o levantamento da Federação, foram geradas, neste ano, 98 oportunidades de emprego em toda região. Em 2018, de janeiro a maio, os números foram bem maiores: 438.

O vestuário e acessórios no Centro-Oeste também criaram menos oportunidades, mas em volume menos impactante. De acordo com a Fiemg, foram abertos nas empresas da região neste ano 327 postos de trabalho contra 381 nos mesmos meses de 2018.

Os maiores tombos na região foram registrados no setor de veículos automotores. O setor cortou 529 vagas neste ano, enquanto em 2018 criou 283 postos de trabalho.

As obras de insfraestrutura também fecharam com saldo negativo. De janeiro a maio deste ano, foram encerradas 397 vagas de trabalho. Em 2018, o setor fechou positivo, com 647 oportunidades abertas de janeiro a maio.

Outros dois segmentos encerraram vagas. O setor de borracha e plástico fechou 192 oportunidades, e o de produtos químicos, 167, apontaram os dados da Fiemg.

 

Comentários
×