Indústria mineira fecha semestre sem reação

 

Pablo Santos

Os primeiros seis meses para a indústria mineira continuam sem reação consistente. Apesar do crescimento do faturamento em junho, o desempenho mantém-se pífio no primeiro semestre, de acordo com os dados da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg).  

Nos primeiros seis meses do ano, apenas o emprego cresceu, com ligeiro aumento de 0,2%. O da Indústria geral subiu 0,3% em junho, em comparação a maio, influenciado por iguais avanços nas indústrias de Transformação e Extrativa. Frente a junho de 2018, o indicador geral expandiu 1,4%, em razão dos aumentos nas indústrias de Transformação (1,4%) e Extrativa (0,8%).

Em outros indicadores, a situação é negativa. No primeiro semestre, o índice da Indústria Geral recuou no faturamento em 3,7%, em decorrência do decréscimo de 46,9% na Indústria Extrativa. Na Indústria de Transformação houve avanço de 0,8% no período.

Já em junho, o faturamento da Indústria Geral aumentou 9,0%, na comparação com maio, reflexo do acréscimo na Indústria de Transformação (9,4%). Por outro lado, na Indústria Extrativa houve recuo de 2,4%. Frente a junho de 2018, o índice geral caiu 10,7%, em razão das quedas nas indústrias de Transformação (-7,1%) e Extrativa (- 45,4%).

Massa

A massa salarial no acumulado do ano caiu 1,7%, influenciada por quedas nas indústrias de Transformação e Extrativa. Horas trabalhadas também retraíram no primeiro semestre, chegando a 3,1%.

— Nos primeiros seis meses do ano, os indicadores mostraram que a indústria segue com dificuldades de reação. Apesar de o segundo semestre tradicionalmente ser mais aquecido para o setor, o cenário para a indústria mineira segue desafiador, sobretudo pelas paralisações ocorridas no setor extrativo mineral. Entretanto, medidas de estímulo à economia, como a liberação de saques do FGTS e a redução da taxa de juros, devem incentivar pontualmente o consumo das famílias, o que tende a favorecer a atividade industrial nos próximos meses — aponta a nota técnica da Fiemg.

 

Comentários
×