Inaugurada sede própria do Centro de Triagem, que atende pessoas em situação de rua em Divinópolis

Da Redação

A Prefeitura de Divinópolis, por meio da Secretaria Municipal do Governo juntamente com a Secretaria de Assistência Social, inaugurou neste domingo, 31, a sede própria do Centro de Triagem, localizado na rua Lincoln Machado, 61, Centro.

Participaram do evento o prefeito Gleidson Azevedo, a vice-prefeita e secretária de governo, Janete Aparecida, o deputado estadual Cleiton Azevedo, equipes de abordagem do centro e do projeto "Amor que alimenta".

O Centro de Triagem operava temporariamente no poliesportivo do Niterói. Segundo a Prefeitura, o espaço foi utilizado para uma situação de emergência. As novas instalações incluem sala de televisão, dormitórios, banheiros, cozinha e área de lazer.

— Quando fui eleito, em 15 de novembro, falei que só iria comemorar quando a UPA e os postos de saúde tivessem funcionando bem e, especialmente, quando desse dignidade para o divinopolitano. E assim a administração está fazendo ao retirar essas pessoas da rua. Esse governo não é gestão de obras, mas de pessoas — afirmou o prefeito Gleidson Azevedo.

A sede oferece dez vagas para homens e mulheres. A equipe de voluntários de abordagem noturna leva os moradores de rua à unidade, quando assim desejam. Além disso, a equipe vai às ruas de segunda a sexta-feira para distribuir 32 refeições por noite e cadastrar as pessoas. Atualmente, mais de 200 assistidos estão cadastrados. Quem opta pelo tratamento vai ao Centro de Triagem para tomar banho, receber roupas novas e realizar exames no Posto de Saúde do Niterói, além de atendimento psicológico.

— O prefeito pediu-nos que encontrássemos uma casa para a população de rua, que antes ficava no recinto esportivo do bairro Niterói. Assim, instalamos nessa casa que é de propriedade do Município, onde a Prefeitura prestará assistência em parceria com voluntários que, há tanto tempo, por amor, cuidam dos moradores de rua — afirmou a vice-prefeita Janete Aparecida.

O serviço envia os assistidos para tratamento em comunidades terapêuticas no Centro de Atenção Psicossocial (Caps) AD III. Quando a pessoa é de outra cidade e quer voltar para casa, a equipe cria força-tarefa para enviá-la, como parte do projeto "De volta para casa".

Projeto

Com gestão compartilhada pela Secretaria Municipal do Governo, Secretaria de Assistência Social e voluntários, o Centro de Triagem reúne mais de 100 pessoas que formam as equipes de abordagem da unidade e do projeto “Amor que Alimenta”.

— Necessitamos guiar as pessoas à medida que têm experiências de vida e se encontram em situações em que necessitam de apoio e de alguém que lhes dê novas oportunidades. Muitas pessoas boas querem ajudar, porque esse é o papel de todos — disse a diretora sobre Drogas e Direitos Humanos, Luciana Capanema.

 

Comentários
×