Hospital São Judas tem 200% de ocupação dos leitos de CTI covid

Seis vagas extras foram instaladas e já preenchidas; Divinópolis registra aumento de mortes e ritmo de contágio

Bruno Bueno

A situação alarmante do sistema sanitário de Divinópolis chegou aos hospitais particulares. Pelo menos é o que indica a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), que, em dados divulgados na tarde de ontem, revelou que o hospital São Judas Tadeu, localizado na região Central da cidade, preencheu todos os seis leitos extras de CTI covid que haviam sido instalados. Isso significa que a unidade de saúde está com 200% de ocupação neste setor.

Ainda segundo a Semusa, o hospital apresenta uma melhora na enfermaria, onde tem nove vagas disponíveis para atender pacientes com coronavírus. No setor que recebe pessoas sem a doença, o CTI está com quatro leitos vagos.

Santa Lúcia e Santa Mônica

O Agora também apurou os dados dos outros hospitais particulares da cidade. Conforme informações da Semusa, o Santa Lúcia, localizado na avenida JK, está com apenas duas vagas no CTI para atender pacientes com covid. A enfermaria possui dez leitos disponíveis. O CTI que acolhe pacientes sem coronavírus tem quatro vagas.

O hospital Santa Mônica, no bairro Padre Libério, também tem dados preocupantes. Conforme a Semusa, a unidade de saúde atingiu 100% de ocupação dos leitos de CTI covid. A enfermaria tem seis vagas, representando 75% do total. No mesmo hospital, o CTI que acolhe pacientes sem a doença está com apenas duas vagas disponíveis, representando 80% da ocupação. 

São João de Deus

Por fim, o Complexo de Saúde São João de Deus, em sua divisão que atende pacientes de planos particulares, apresentou números mais tranquilos, porém, ainda preocupantes. 

O CTI que atende pacientes com covid está com 68% de ocupação, o que significa cinco vagas disponíveis. A enfermaria, por sua vez, tem 42% de ocupação, com 16 vagas. A ala infantil está com 100% de ocupação.

Ainda na área particular do São João de Deus, o CTI que acolhe pacientes sem a doença tem apenas uma vaga disponível. A ala infantil tem dois leitos que ainda não foram ocupados.

Hospitais públicos

A reportagem também averiguou a situação da UPA Padre Roberto. Conforme a Semusa, o hospital de campanha está com apenas uma vaga disponível na ala CTI, com 96% dos leitos ocupados. A enfermaria, por sua vez, tem nove leitos que ainda não foram preenchidos.

O Complexo de Saúde São João de Deus, em sua área que atende pacientes pelo SUS, tem quatro vagas no CTI que recebe pessoas com covid. A enfermaria para o mesmo atendimento tem oito vagas e 73% de ocupação. A ala infantil tem nove leitos disponíveis. No mesmo hospital, o CTI que acolhe pacientes sem a doença tem apenas uma vaga disponível. A ala infantil tem duas vagas.

Ocupação geral

Considerando todos os hospitais, Divinópolis tem 95 dos 111 leitos de CTI covid ocupados, representando 85% do total. A enfermaria, por sua vez, tem 105 dos 170 leitos preenchidos.

Vale ressaltar que os dados mudam a todo momento e foram atualizados, pela última vez, por volta das 14h de ontem. 

Ritmo de contágio

Outro fator que está preocupando as autoridades sanitárias é o ritmo de contágio da cidade. Conforme dados da Semusa, a taxa de transmissão de Divinópolis saltou de 0,83, no dia 1º, para 1,31 no dia 4 e 1,21 ontem. Isso significa que 100 contaminados passam o vírus para outras 121 pessoas.

Confira os dados do ritmo de contágio em junho.

01/06 - 0,83

02/06 - 1,00

03/06 - 1,12

04/06 - 1,31

07/06 - 1,21

Mortes

As informações de ontem mostram ainda mais sete mortes.

Conforme a Semusa, uma mulher de 84 anos, portadora de doença cardiovascular crônica e diabetes mellitus, foi o primeiro óbito confirmado. Um homem com a mesma idade também faleceu. Ele tinha as mesmas comorbidades da mulher, além de uma pneumopatia crônica. A morte de uma mulher de 55 anos, portadora de doença cardiovascular crônica, doença renal crônica e lúpus eritematoso, também foi informada.

O Executivo ainda confirmou a morte de uma outra mulher, de 57 anos, que não possuía comorbidades, e de um homem, de 77 anos, que era hipertenso. Foi registrado também o óbito de uma mulher de apenas 36 anos, obesa. Por fim, a morte de um homem de 61 anos, que tinha câncer de intestino e imunodeficiência, foi confirmada.

Com os registros, o município chega a 439 óbitos em decorrência do coronavírus. Oito mortes são investigadas.

Aumento

Conforme levantamento do Agora, o mês de junho tem mais mortes no período de comparação com maio. No mês passado, Divinópolis teve 12 mortes nos primeiros sete dias. Em junho, no mesmo período, a cidade já tem 16 óbitos.

Nos primeiros sete dias de junho, o município também registrou aumento no número de casos quando comparado ao mês passado. Em maio, na primeira semana, Divinópolis contabilizou 228 casos. Neste mês, a marca já chegou a 335.

Comentários
×