Hortigranjeiros ficam mais baratos

Jorge Guimarães

Quem vai às compras, seja em sacolão ou mesmo nos supermercados, está se assustando com a alta dos preços de algumas hortaliças e frutas nos últimos dias. Mas, pelo que parece, a boa nova é que o consumidor deve ficar atento porque a expectativa é de reduções nos valores a partir deste mês. 

O tomate, que chegou a custar R$ 8 no início de abril, agora pode ser encontrado por R$ 4,99, preço ainda salgado, mas com tendência a cair ainda mais. O mesmo acontece com a batata, que superou os R$ 5 e agora é vendida a R$ 2,89. A cebola também já pode ser encontrada a R$ 3,39, o que demonstra que os valores estão voltando à normalidade.  

Queda de preços

A realidade em Divinópolis está de acordo com o comparativo de preços realizado no CeasaMinas entre março e abril, o qual aponta que os hortigranjeiros ficaram, em média, 3,2% mais baratos. Um dos fatores que contribuíram para a queda dos preços foi a redução de chuvas e temperaturas mais amenas. No setor de hortaliças, legumes e verduras, alguns dos produtos que mais colaboraram para a diminuição dos valores foram a abobrinha italiana, -21%, e a cenoura, -9,4%. Entre as frutas, alguns dos destaques foram a tangerina ponkan, -36,6%, e o abacate, -16,7%.

— Com o fim da estação das chuvas, a tendência é que os preços voltem ao patamar de antes, principalmente as verduras de folhas. Aqui, nossos preços praticados quando comercializamos o “sacolão” são de R$ 2,99 durante a semana, e R$ 1,99 aos domingos — revela o atendente João Luiz.     

Hortaliças

No setor das hortaliças, contribuíram também para redução dos custos a moranga híbrida, -16,1%; a beterraba, -9,3% e o repolho, -4,8%. O chuchu, apesar da queda de 62,8%, permanece com preço alto. Entre aquelas que ficaram mais caras, os destaques foram o tomate, 34,6%; o quiabo, 16,8%; o pimentão, 10,8%; a batata, 3,5%; a couve-flor, 3%; e a cebola, 1,8%. No entanto, vale lembrar que a melhora das condições climáticas tende a reduzir o valor do tomate.

Frutas

As frutas que mais influenciaram a diminuição de preço foram o mamão formosa, -29,5%; o mamão Havaí, -23,4%; a banana-nanica, -18,8%; a manga, -9,6%; e a laranja-pera, -8,2%. No sentido inverso, ficaram mais caros o morango, 46,5%; a melancia, 17,4%; o limão taiti, 10,6%; a banana-prata, 5,7%; e o abacaxi, 3,2%.

Ovos

Os ovos ficaram, em média, 1,3% mais caros em abril. Entretanto, passada a Quaresma, época de preços mais altos para o item, já se observou retração nos valores. A previsão é de novas reduções ao longo do mês, favorecendo ainda mais o consumidor. Ontem, o preço da dúzia em um supermercado era vendido a R$ 4,99. 

Comentários
×