Hortigranjeiros aumentam 18,4% em 2019

Jorge Guimarães

O preço médio dos hortigranjeiros, grupo formado por hortaliças, frutas e ovos, ficou 18,4% maior em 2019 na comparação com 2018, no atacado do entreposto de Contagem da CeasaMinas, principal fornecedor de itens para o comércio de Divinópolis. A alta é consequência, principalmente, de chuvas e altas temperaturas que afetaram regiões produtoras. Também contribuiu para o aumento no ano passado o fato de vários produtos de grande consumo terem apresentado preços muito baixos em 2018, o que desestimulou novos plantios para a safra de 2019.

Hortaliças

No setor das hortaliças, legumes e verduras, o preço médio no ano passado ficou em R$ 2,06/kg, o que representou uma alta de 29,6% sobre o praticado em 2018. Com aumento de 91,4%, a batata foi o produto que mais contribuiu para a variação.

Também mereceram destaque no balanço as variações de chuchu, com 60%, inhame, 45,6% e cebola, 38,2%. O chefe da Seção de Informações de Mercado da CeasaMinas, Ricardo Martins, lembra que, mesmo com a alta no período consolidado do ano, muitos produtores sofreram com a queda de preços no segundo semestre. Além disso, segundo ele, vale lembrar que períodos de preços altos e baixas ofertas ligadas ao clima tendem a elevar os custos de produção. Entre as hortaliças com redução no preço médio, o exemplo mais significativo foi o da mandioca, com -29%, produto que não foi tão afetado pelos problemas climáticos quanto os demais.

Frutas

As frutas apresentaram preço médio 11,6% maior, ficando em R$ 2,22/kg. Os produtos que mais contribuíram para essa variação foram banana-prata, 27,7%; mamão formosa, 23%; maçã nacional, 22,1%; banana-nanica, 22,1%; mamão havaí, 17%; e melancia, 17%. Os destaques das quedas de preço entre as frutas foram pêssego, -5%; laranja-pera, -2,9%; uva-niágara, -1,2% e goiaba, -0,6%.

Ovos

Os ovos ficaram 3,4% mais caros no ano passado. Dois dos motivos para a oscilação foram a pressão da demanda, em razão do encarecimento da carne, e os aumentos dos custos de produção.

Comentários
×