Hortaliças têm redução de 10,9%

Jorge Guimarães

O fim do ano se aproxima e, com ele, as confraternizações. Em alguns casos tudo é dividido entre os participantes em outros não. Neste último caso é preciso pesquisar os preços para não afetar muito o bolso. Sem se levar pela alta da carne nos últimos dias, o consumidor tem que focar nas promoções para que seu minguado dinheiro chegue ao final do mês. E as hortaliças, que fazem parte do cardápio do brasileiro no dia a dia, tiveram uma redução de 10,9% no preço médio, segundo o balanço de novembro em relação a outubro, em levantamento realizado no atacado do entreposto de Contagem da CeasaMinas, principal fornecedor do gênero para centenas de cidades mineiras, inclusive, Divinópolis.

Na trajetória inversa, as frutas ficaram, em média, 5,1% mais caras. Quando considerado todo o setor de hortigranjeiros, que inclui também ovos, houve uma redução de 2% no preço médio de novembro.

Hortaliças

Entre as hortaliças, os produtos que mais influenciaram a queda de preço no grupo foram berinjela -31,6%; chuchu -25,5%; quiabo -23,2%; batata -20%; tomate -19,3%; moranga-híbrida -13,3%; cebola -11,6%; pimentão -7,4% e cenoura -6,7%. De modo geral, as variações foram influenciadas pelas boas ofertas do período.

Houve também hortaliças que ficaram mais caras, com destaque para pepino 54%; repolho 35,2%; inhame 14,2%; alface 14,2%; abobrinha-italiana 14,1% e couve-flor (9,6%). Neste caso, as altas estão ligadas ao início de entressafras ou de chuvas em regiões produtoras.

Frutas

O aumento do valor das frutas foi puxado por abacate 48,7%; melancia 44%; mamão-formosa 18,8%; laranja-pera 14,7%; abacaxi 10,7%; limão-tahiti 7%; mamão-havaí 5,7% e goiaba 5,4%. Essas variações também foram resultantes de problemas climáticos ou de períodos de entressafra.

A boa notícia para os compradores é que o limão-tahiti tem apresentando preços menores nos últimos dias, como um reflexo do início de safra. Já o mamão-havaí, mesmo com a alta de novembro, constituiu uma boa dica para o consumidor.

Das frutas que ficaram com valores menores, os destaques foram a banana-prata -21,1%; manga -17,7%; pêssego -11,4% e morango -4,9%. O consumidor deve ficar atento, pois a banana-prata já apresenta altas de preços no atacado.

Ovos

Os ovos apresentaram redução de preço de 2,8% em novembro, mas já têm mostrado aumentos nos últimos dias, também no atacado. No comparativo da última semana em relação ao mesmo período do mês anterior, por exemplo, a alta foi de 1,6%.

Preços

Em uma loja de rede de supermercados ontem, tinham muitos itens em promoção como a beterraba e a cenoura vermelha que saiam a R$ 1,39, abóbora híbrida a R$ 1,79, cebola roxa e o pimentão verde a R$ 2,99. Em promoção também a batata-doce a R$ 1,99, a cebola a R$ 1,49 e a batata a R$ 3,39. Já os tomates, em dois tipos, longa vida e italiano, eram vendidos a R$ 3,49 e R$ 2,99.

Para o empresário do ramo alimentício, Cláudio Caldas Machado, a pesquisa de preços é fundamental, uma vez que os produtos têm sofrido alterações constantes.

— Venho às compras todos os dias pela manhã, para ter sempre hortaliças frescas no meu restaurante. A cada dia me surpreendo mais com os preços. A pesquisa tem que ser feita sempre — avaliou.

Frutas

No setor de frutas, os preços estão bem variados, com destaque para a manga Palmer a R$ 1,99, o mamão Havaí sendo comercializado a R$ 2,49 e a laranja Pêra Rio a R$ 2,59 e a melancia inteira saia a R$ 1,79.

Comentários
×