Hipocrisia

Hipocrisia 

Foi como o prefeito Gleidson Azevedo (PSC) nomeou as atitudes de alguns vereadores em relação ao geoprocessamento. O chefe do Executivo diz “estes que lá agora estão dando seus showzinhos são os mesmos que votaram a favor na gestão passada”. Sobre os que se dizem apoiadores da sua administração e que se “colocam em cima do muro” ou não levam a verdade à população na tribuna, o prefeito diz que é por politicagem. Do outro lado, os representantes na Câmara têm seus vários argumentos, incluindo mais gastos para o povo em um momento ainda pandêmico. Contextos de lá, de cá, jogo de empurra e pouca clareza a quem realmente interessa: o contribuinte. Tem prazo? Até ele aceitar calado.

Justiça 

Quando a explicação clara sobre a diferença de reajuste na Planta de Valores e geoprocessamento chegar aos cerca de 240 mil habitantes em Divinópolis, as distorções sobre o assunto e a polêmica criada em torno dele acabam. Mas será que para alguns isso interessa? Afinal, se o tema sumir, é o fim do ibope. E quem quer ficar longe dos holofotes à beira de um processo eleitoral? O certo é que mexer na planta é reajustar os valores do IPTU de forma geral. Já cobrar pelo geoprocessamento apenas ajusta os valores pagos por muita gente que aumentou sua construção e continua pagando o mesmo valor pelo tamanho anterior. Apenas se faz justiça com quem paga o imposto de forma correta. Como ter um imóvel de dois pavimentos e pagar o valor de um lote, por exemplo. Simples assim!

Impeachment 

E, pelo que afirmou o prefeito, sua intenção é manter apenas o que determina o geoprocessamento. Dito isso, a Planta de Valores vai passar mais um mandato sem ser alterada. Nem que isso faça com que os vereadores peçam o impeachment do ocupante da principal cadeira do Município. Foi o que disse o próprio Gleidson. Vale ressaltar que a última alteração na planta ocorreu em 1996, no mandato de Aristides Salgado. Se depender dos posicionamentos do Executivo e do Legislativo, sem dúvida o assunto ainda vai dar “muito pano pra manga”.

Vergonha 

Pelo menos para quem tem, foi o que sentiu nesta terça-feira, quando a Prefeitura amanheceu com integrantes do Ministério Público e da Polícia Militar (PM).  Servidores atuavam como fiscais de obras da cidade são suspeitos de praticar crimes de corrupção passiva e ativa, falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistema de informações e associação criminosa. O que resultou em nove mandados de busca e apreensão e afastamento dos profissionais. Tudo por quê? Primeiro pela ganância ao dinheiro – quanto mais tem, mais quer –, depois pela certeza da impunidade e pelo fato, principalmente, de o brasileiro ter memória curta. Quer dizer, eu esbanjo com o bom e o melhor, nem vou preso porque as leis brasileiras permitem isso e logo, logo o povo esquece. Pode ser até fácil se aproveitar disso, mas que é criminoso e vergonhoso não resta dúvida. Situação que faz remeter de novo à população. Distraída, interesseira, desinformada e inerte, paga caríssimo seus representantes e os deixa fazer o que querem. Inclusive, permitir que leis retrógradas ainda estejam em vigor e que novas que beneficiam só seus autores sejam criadas.  

Jogadas 

Enquanto não há protestos e exigências dos patrões dos políticos, a coisa segue do jeito que eles querem. Prova disso é que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou, nesta terça-feira, uma proposta que antecipa de 75 para 70 anos o limite de idade para que ministros de tribunais superiores, como o Supremo Tribunal Federal (STF), ocupem os cargos. Na prática, se promulgado, o novo texto poderá dar o direito de o presidente Jair Bolsonaro indicar dois novos ministros para as vagas de Rosa Weber e Ricardo Lewandowski, ambos com 73 anos. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC), apresentada pela deputada bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF), visa revogar a chamada PEC da Bengala, que estabeleceu o atual limite de idade, em 2015. Ou seja, medidas que mais uma vez visam o próprio umbigo. E o povo, como está? Apesar da corda no pescoço, segue conformado. 






  

Comentários
×