Guerra nuclear

Adriana Ferreira 

Há umas três décadas, quando da Guerra Fria em que EUA e ex-URSS disputavam o controle do universo e faziam o restante do mundo tremer sobre a possibilidade de uma guerra nuclear eu escrevi uma redação sobre como seria se houvesse uma terceira guerra mundial. Na minha redação, haveria a guerra nuclear e até que se restabelecesse a paz, viveríamos em abrigos. Com nações inteiras destruídas, nos abrigos estariam pessoas de muitas nacionalidades e se estabeleceu uma Torre de Babel ao contrário, ou seja, teríamos que aprender a nos entender. Era questão de sobrevivência!

Fim da guerra fria

A queda do Muro de Berlim em 1989  foi o marco para o fim da Guerra Fria que ocorreu em 1990 e o medo de uma guerra nuclear só renasceria nos últimos anos, desde que Kim Jong-Un, líder supremo, ditador que se acha dono da Coreia do Norte, assumiu o poder e passou a ameaçar os EUA com seus mísseis. Mas nos anos 90 com a popularização do computador e as impressoras matriciais, passou-se a achar que a próxima guerra mundial seria de fogo, mas não de armas e sim de papeis, de tanto relatório que era preciso imprimir nas impressoras matriciais.  Com a digitalização, a guerra de fogo em papéis foi descartada.

Coronavírus

Hoje, o mundo está em guerra, mas não de país contra país e sim, contra um vírus – Covid-19. Há exceções, claro! Kim Jung-Un continua fazendo testes com suas armas nucleares enquanto declara para o mundo que na Coréia do Norte não tem um único caso registrado. Segundo o jornal sul-coreano, Dong-a Ilbo, houve o caso de um indivíduo, funcionário do governo,  que havia chegado da China. Esse cidadão tentou se esquivar da quarentena para usar um banheiro público. Foi executado antes de chegar ao destino. 

Bozonaro 

Pera aí Bozonaro!!! É isso mesmo? Você quer que a gente vá para a rua trabalhar? Seu inconsequente! Seu irresponsável! De jeito nenhum! É para ficar em casa! Todo mundo, menos o padeiro porque eu não sei fazer pão e não passo sem pão, menos o farmacêutico porque posso precisar de remédios, menos o frentista porque eu preciso abastecer meu carro, menos o motorista e o trocador porque eu preciso me locomover por alguma razão, menos o lixeiro que tem que recolher o lixo que eu produzo e que aumentou, menos a pessoa que coloca dinheiro nos caixas eletrônicos, menos o guarda do banco para me proteger enquanto eu saco dinheiro, menos os médicos e enfermeiros caso eu adoeça, menos meu advogado porque meu processo não pode parar, menos o juiz para cuidar do meu processo, menos os policiais porque eles precisam fazer minha segurança, menos os agentes penitenciários porque eles precisam evitar fuga de presos, menos o fisioterapeuta que cuida de meu/minha pai/mãe idoso que tem Alzheimer/Parkinson e não pode ficar sem fisioterapia, menos o psiquiatra e/ou psicólogo que me ajuda a não cometer loucuras (eu ou algum familiar), menos o neurologista que cuida do meu filho hidrocefálico/autista, menos os funcionários das indústrias farmacêuticas porque eu preciso de álcool em gel, menos o pessoal da fábrica de papel higiênico (??!?), menos o pessoal da imprensa porque eu preciso ser informado a cada instante, menos os cientistas e pesquisadores porque precisamos encontrar a cura, menos os funcionários dos supermercados porque eu preciso fazer compras para a quarentena, menos o moço do gás porque o meu pode acabar, menos o da pizzaria e do sanduíche porque a noite eu não gosto de cozinhar, menos o restaurante porque eu necessito por alguma razão comer fora, menos o pessoal da fruta e verdura porque eu só como fruta e verduras frescas, menos o fornecedor de alimentos diversos porque eu preciso me alimentar, menos os transportadores terrestres/marítimos/fluviais/ferroviários porque eles precisam trazer até a mim tudo o que eu preciso e que não é produzido na minha cidade, menos a babá dos meus filhos porque não sei nem trocar fralda, menos os funcionários e peritos do INSS porque estou doente e preciso fazer perícia, menos a minha empregada porque eu não sou chegada a serviços domésticos, menos o bombeiro hidráulico se a pia entupir ou o cano estourar ou o vaso sanitário entupir, menos o pessoal da companhia de água, luz, telefone e internet porque eu preciso desses serviços básicos. A lista de quem não pode parar é bem maior. Resumindo: é para parar quem não me serve. 

Fique em casa!

Que fique claro que, somente com calma, organização e responsabilidade acima de tudo, poderemos aos poucos retornar para a vida externa. Pessoas de grupos de risco devem permanecer em casa até que o mundo exterior não ofereça perigo.  Mas respeitemos quem não tem escolha.

Parabéns

Parabenizo a todos os profissionais, de todas as áreas,  que não puderam parar. Vocês brilham! Venceremos!

Comentários
×