Gosto não se discute

Leila Rodrigues

 

Eu sempre achei a arte um negócio muito interessante. Acho incrível como o artista transforma tudo em algo bonito, novo, moderno, repaginado. Também gosto de música e de cozinhar. Mas não faço questão nenhuma se meus amigos gostam de arte, de música ou de cozinha. Nunca tive problemas com quem pensa diferente de mim. Tenho alguns amigos que só vestem camiseta preta e outros que gostam de meditar. Gosto do gosto deles, porque combina com eles.

Eu tenho amigo jovem, eu tenho amigo negro, eu tenho amigo velho, eu tenho amigo que trabalha demais e tenho amigo que não faz nada na vida. Eu também tenho amigo branco, eu tenho amigo gay, eu tenho amigo doutor, escritor, cabeleireiro, ceramista, aposentado, separado e recém-casado.

Ah e tenho amigo que nunca vi, amigo que é meu vizinho, amigo pai de família, amigo de todo jeito.

E todos eles têm algo em comum. Eles são autênticos! Eles são o que são e é exatamente isso que me fascina. Eles gostam da vida, gostam de viver. Alguns gostam de cantar e quando estamos juntos, cantamos juntos. Outros gostam de uma boa prosa e quando estamos juntos o tempo é sempre curto para tantas falas. E tem aqueles que a sintonia é tão grande que nem precisamos estar juntos para saber que nos queremos bem.

Eu gosto mesmo é de gente de verdade. Gente que ri, que chora, que se esfola todo de vez em quando. Gente que tenta, que vai, que se arrepende, que manifesta, que declara seu amor e chora sua dor sem se fazer maior ou menor. Gosto de gente que me empurra, que me tira do lugar comum, que me questiona, que reclama de mim para mim, que me desafia, que pensa diferente, que me transforma e me faz ver as coisas sob um outro ângulo.

Gosto de gente que envelhece, que pede licença, que sabe rir de si e que não tem vergonha de chorar. Gosto de gente sem rótulo, aqueles que eu tenho que conversar muito para conhecer seu conteúdo, sua essência. Gosto de gente que funciona quando a luz acaba, quando a comida esfria ou quando a dor me invade. Gosto de gente que não ensaia, que derrapa de vez em quando e que me deixa ser quem eu sou. Gosto de gente que gosta de gente, que abraça de verdade, que se alegra com a alegria dos outros, que não tem vergonha de amar. E para finalizar, gosto de gente que não se dá conta do tamanho que têm! Esses são os melhores!

É disso que eu gosto! E tenho dito!

leilarodrigues-palavras.blogspot.com.br

Comentários