Golpe baixo

Ao inaugurar ontem o seu comitê pró-Lula candidato, o PT, que ainda é fraquíssimo em Divinópolis, tenta dar a volta por cima. A atitude do partido é correta, principalmente quando defende o amigo maior que, segundo o brasileiro em geral, levou o país ao caos. Mesmo assim, Lula conta com a simpatia da classe mais pobre, que acreditou em suas promessas e culpa Dilma pelo desastre atual. O programa só fala em golpe, como se o PT não houvesse dado um golpe mortal neste país, quebrando-o de norte a sul e provocando a maior onda de corrupção de sua história.

 Merece destaque...

 ...não a inauguração, mas sim algumas frases do atual programa do partido: “Judiciário que condena uns e protege outros é ditadura, corrupção e golpe”. “Salário acima do teto é corrupção e covardia contra os trabalhadores assalariados.” “Auxílio moradia para juízes e políticos que já têm altos salários, é corrupção e golpe.” “Eleição sem Lula é fraude e golpe.” “Altos salários dos magistrados e as mordomias do poder judiciário e do Ministério Público, é uma afronta ao povo brasileiro.” Outras fases contendo baboseiras de “engana trouxa” estão por lá e chamam a atenção pelo “ineditismo” do tema.

 Por acaso... 

...o que está nestas frases acima não aconteceu também nos 14 anos dos governos petistas de Dilma e Lula? – Claro que sim, pois os magistrados nomeados pelo PT estão lá há muitos anos, assim como o esdrúxulo auxílio-moradia. A mordomia, os aviões da FAB à disposição, o famoso cartão de débito que a “presidenta” usou gastando em absoluto sigilo, nada disso é imaginação, mas sim realidade. O PT, que chegou ao poder dando a impressão de que moralizaria o país, fez tudo de errado que os outros governos fizeram e, ainda mais, criou o mensalão e o petrolão, que já levou tanta gente “boa” para o xadrez. Seria um mero acaso os maiores líderes do PT serem presos e condenados, sendo que ainda há outra centena de processos no STF e em Curitiba? Claro que não. Sorte ao pessoal petista de Divinópolis, gente boa sim, mas ainda com uma ilusão que não merece nem comentários.

 Ele pode sim, 

...por que não? Quando o nome de Jaiminho Martins foi ventilado para ser o vice de Marcio Lacerda, foi um rebuliço nos meios políticos da cidade. Não se falou mais no assunto, o deputado preferiu ficar na dele e, de repente, aparece no noticiário o nome de Dinis Pinheiro, que já foi presidente da Assembleia Legislativa, para disputar o mesmo espaço de Martins. Só que estão longe os momentos políticos mais cruciais, os das definições. É quando o mineiro diz que “a vaca vai pro brejo”. “São tantas coisinhas miúdas”, como canta Maria Bethania, que serão conversadas “no escondidinho”... O que é impossível hoje é afirmar qualquer coisa, pois existem duas vagas abertas para o Senado, daí que a indefinição vai longe.

 Sua conta está chegando! 

Depois da discussão na Câmara Municipal sobre o estratosférico aumento do IPTU, que acabou não dando em nada, vem aí a conta que todos detestam. Impostos, taxas e outras palavras do gênero deveriam desaparecer! O povo precisa respirar sem pensar que tem de trabalhar mais de cinco meses apenas para alimentar os “boca-aberta” de Brasília, dos governos estaduais e das prefeituras. Se alguma coisa fosse notada com o dinheiro pago, não haveria queixa, a gente até entenderia, porque alguém tem de ser pago para dirigir este país e, se tiver coragem, cercear a corrupção, já que acabar com ela é uma tarefa impossível.

Comentários
×