Gleidson/Cleitinho

Gleidson/Cleitinho

 Um vídeo de um evento na boate Mandalla, localizada no Pátio Shopping, está dando o que falar. Nele aparecem o vereador e promotor de eventos Eduardo Print Júnior e um dos gêmeos Azevedo. O prefeito ou o deputado estadual? E, para complicar, o prefeito testou positivo para covid-19, e aí que era o prefeito quem estava presente ganhou força. Não era. Era o deputado estadual Cleitinho Azevedo. No período pré e eleitoral, essa dúvida também pairava para muitos, inclusive para esta colunista, que, somente após conhecer Gleidson mais de perto, percebeu diferenças. Que fique claro que são deveras sutis, dá mesmo para confundir!

Gêmeos idênticos I

Que gêmeos idênticos adoram pregar peças, isso todo mundo sabe. E há que se ressaltar que todas são relevantes, até mesmo aquelas consideradas sem danos, tais como quando resolvem pegar a namorada ou o namorado de outrem, fato bem comum na adolescência ‒ brincadeira para os gêmeos e possível trauma para a vítima. Há ainda quando um faz prova no lugar do outro e, claro, quando um vai preso no lugar do outro, como ainda ocorre devido ao atraso no sistema de identificação criminal.

É Brasil!

Os registros de identidade enganada são seculares, daí a necessidade da identificação dactiloscópica, e há registro de placas de cerâmica antiga retiradas de uma cidade soterrada no Turquestão com os seguintes dizeres: "Ambas as partes concordam com estes termos que são justos e claros e afixam as impressões dos dedos que são marcas inconfundíveis". Na China do século VII, nos casos de divórcio, o marido tinha que dar um documento para a divorciada, autenticado com suas impressões digitais. No século IX na Índia, os analfabetos tinham seus documentos legalizados com as suas impressões digitais. Claro que ainda ocorrem erros, pois os pais frequentemente colocam  nomes idênticos. No interior do Rio Grande do Norte, em 2017,  o agricultor Eldis Trajano da Silva, de 36 anos, passou dois anos e três meses preso no lugar do irmão, Eudes Trajano da Silva, que só foi preso porque cometeu outro crime. Pasme! Segundo Henrique Baltazar, juiz de execuções penais,  o sistema de identificação criminal não fazia exames de impressão digital, o que comprovaria que Eudes, e não Eldis, era fugitivo. "Não havia nenhum outro tipo de sistema que pudesse confirmar que aquela pessoa era quem devia ser", disse. Ponto para o Turquestão!

Gêmeos Azevedo

Claro que nossos gêmeos são homens probos, porém, como dito alhures,  nunca é irrelevante a identificação enganada. Se no caso do RN um pobre trabalhador perdeu mais de dois anos de sua vida, tendo sido privado de sua família, de sua liberdade,  a confusão poderia ter trazido sérios danos para Divinópolis, principalmente no referente à economia e, claro, comprometeria  a credibilidade do prefeito, vez que testou positivo para covid-19.  Cabe ressaltar que, independentemente da natureza do grupo de WhatsApp, só se falava que o prefeito foi infectado na boate Mandalla e que era uma irresponsabilidade tanto do prefeito quanto do presidente da Câmara. Por sorte,  tanto o vereador Eduardo Print Júnior quanto o deputado prestaram os devidos esclarecimentos, inclusive quanto à autorização do evento e que seguiu todo o protocolo do Minas Consciente. Aos poucos a vida vai voltando ao normal, claro que com um “novo normal”.

Aliás

Em uma corrida de olhos em alguns grupos de WhatsApp verifica-se que há pessoas que mal dormem, que   ficam de 15 a 20 horas por dia debatendo política. Usando aqui uma expressão em inglês: “get a life!”, antes que seja tarde demais. 

Bira I

Em  Divinópolis, havia  o concurso “Garota Comércio”, em meados de 1980. Bira era o responsável por  arrumar a moça que representaria, salvo engano, o Consórcio Automac. E ele que havia conhecido Andréa, a irmã desta colunista, e a escolheu para representar a empresa. Bira e Daniela Magalhães Faria Outubo, que também participava, representando uma empresa que esta colunista não se recorda, se prontificaram a ensinar Andréa a desfilar.  Daniela os recebia em sua casa e Bira sempre dizia a Andréa que ela brilharia. E assim foi! Daniela ganhou, mas Andréa não passou despercebida.  Passadas mais de três décadas, eles nunca se perderam um do outro. Ele era um anjo para ela. Foi a primeira pessoa que lhe disse: “Vá lá e arrase, você consegue!”. Bira, no dia em que você virou estrela, Andréa abriu um novo negócio em Nova Iorque. Você mal chegou aí e já está dando um jeito para sua pupila! “Amigo é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito.”

 

Comentários
×