Gincana mobiliza escolas de Divinópolis contra Aedes aegypti

 

Da Redação

Estão abertas até o dia 27 de abril as inscrições para a Gincana Estudantil Contra o Mosquito Aedes aegypti. Escolas municipais e estaduais poderão participar das atividades, promovidas pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), por meio da Vigilância em Saúde.

—A iniciativa visa a promover a conscientização e a educação da população quanto aos cuidados para a prevenção ao Aedes aegypti. 90% dos focos de mosquitos são encontrados dentro de residências. Diante disso, percebemos que a parceria com as escolas é um excelente meio para nos auxiliar nesse processo. O evento trará resultados imediatos com o recolhimento de materiais que possam servir de criadouro, além da conscientização das crianças e familiares — explicou a agente sanitária fiscal de saúde Andreza Germano Souza.

Na escola, os alunos desenvolverão ações de mobilização socioeducativas junto à família e à comunidade.

— Cada escola fará sua mobilização junto à comunidade, com o objetivo de recolher materiais que possam servir de criadouro para o mosquito. Esse material será recolhido pela equipe da Vigilância em Saúde, contabilizado, vendido e o dinheiro revertido à escola. No dia 24 de maio, no Ginásio Poliesportivo, as escolas que tiverem as melhores pontuações serão premiadas — disse.

Um computador, duas impressoras e quatro kits esportivos serão sorteados entre todas as escolas participantes, que também receberão certificado de participação. Haverá ainda menção honrosa e certificado de participação para um professor e um aluno de cada escola participante que coletarem o maior número de materiais.

Escolas da rede municipal podem se inscrever por meio do e-mail crpe.semec@divinopolis.mg.gov.br, ou pessoalmente, na Secretaria Municipal de Educação. Já as inscrições de escolas estaduais devem ser feitas pelo e-mail aparecidavaleria@educacao.mg.gov.br, ou pessoalmente, na Superintendência Estadual de Ensino.

Risco de infestação

O Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (Liraa) do mês de abril revelou risco médio de epidemia em Divinópolis. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira, 9, pela Secretaria Municipal de Saúde.

Apesar do risco médio geral, três regiões da cidade continuam com o indicador alto: central, nordeste e norte.

Regiões

A região nordeste está com risco de infestação de 7,05%. Foram visitados 780 imóveis e, em 55, foram registrados focos. Icaraí, São Luiz, Niterói, Itaí e São João de Deus são os bairros da região com o maior índice de focos encontrados.  Central e norte apresentaram indicador de infestação de 4,63% e 4,07%, respectivamente. Porto Velho e Centro, na região central, concentram os maiores índices.

O índice médio foi encontrado nas regiões sudeste e oeste: 2,55% e 2,07%. Já a Região Sudoeste apresentou índice baixo: 0,76%. Jardim Brasília, Alvorada, Jardim América, Campina Verde e Casa Nova.

Alta

No começo do ano, o Liraa chegou a 6,5%, indicando alto risco de epidemia. Neste mês, o indicador passou para 3,25%, apontando risco médio. O número de imóveis visitados pelos agentes chegou a 4.829 e, em 157 imóveis, foram registrados focos. De acordo com o Liraa, 93% dos focos foram encontrados em residências e o restante, em lotes vagos.

Focos

Os agentes de saúde encontraram vários tipos de recipientes com larvas do mosquito transmissor. De acordo com a Prefeitura, 27,7% dos focos foram encontrados em objetos fixos, como ralos, caixas de passagem, sanitários em desuso e fontes ornamentais.

Já em depósitos móveis, como pratos e vasos de plantas, pingadeiras, bebedouros de animais e plantas aquáticas, o índice foi de 27,2%.

Os focos passíveis de remoção, como baldes, garrafas, latas, recipientes de plástico e pneus, foram responsáveis por 26,6% dos focos registrados.

Já em armazenamentos de água para consumo, caixas d’água, tanques, poços, tambores e manilhas, por exemplo, foram encontrados 14,7% dos focos. Nos depósitos naturais, como as bromélias, o índice foi de 3,8%.

 

Comentários