Geraldo Passos pede afastamento de Edson Sousa da CPI dos Áudios

Ricardo Welbert 

O editor do blog “Divinews”, Geraldo Passos, pediu à Câmara de Divinópolis que tranque a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura os conteúdos de gravações telefônicas que o envolvem ou afaste Edson Sousa (MDB) da comissão. Em documento protocolado anteontem e encaminhado ao procurador legislativo Bruno Gontijo e ao presidente da CPI, Ademir Silva (PSD), o solicitante afirma ser alvo de perseguição pessoal do parlamentar e crê que isso afeta a imparcialidade da investigação.

Geraldo e a mulher, Sandra Passos, são alvos de processos judiciais movidos por Edson. Cópias dessas ações foram anexadas. Além disso, por várias vezes o blogueiro também foi criticado pelo vereador durante discursos na Câmara.

O depoimento de Geraldo à CPI foi marcado para o próximo dia 23, às 9h. Ele defende que deporá como testemunha e não como “investigado”, conforme foi chamado.

— Espero que os vereadores tenham juízo e tomem a decisão certa, porque tudo isso começou quando Edson, em um ato de falta de controle, enfiou o dedo no nariz da jornalista Pollyanna Martins durante uma coletiva de imprensa e eu dei divulgação a isso no ‘Divinews’. Ele queria que o caso ficasse escondido — diz Geraldo.

Tensão

Durante pronunciamento na reunião ordinária de ontem, Edson, que também já foi levado à Justiça por Geraldo, leu trechos do pedido dele, que chamou de “absurdo”. O clima ficou tenso quando vereador e blogueiro começaram a trocaram ofensas no plenário. Edson pediu que a Mesa Diretora chamasse a polícia.

— Eu fui chamado de bandido — alegou o vereador.

— Eu te chamei de ‘bobo’ — rebateu Geraldo.

Ao fim da reunião, o presidente da Câmara, Adair Otaviano (MDB), disse que o pedido de Edson não foi acatado porque os colegas não têm obrigação de chamar a polícia quando o próprio Edson poderia fazê-lo. Logo em seguida, durante entrevista ao Agora, Edson negou que as desavenças pessoais com Geraldo influenciem na forma como ele trabalha na CPI.

Ouça a íntegra da entrevista com Edson Sousa

— Não sou desafeto dele. Ele que cria isso na cabeça dele. Tem uma CPI aqui, cujo relatório será montado e aprovado ou rejeitado no plenário, pelos vereadores. Ele está preocupado achando que vou julgá-lo. Mas não vou julgar. Vou fazer perguntas. Se eu perguntar sobre determinado fato social em tela e ele me comover, Inês tá morta — diz, completando que tem cerca de 80 questionamentos a fazer.

Após deixar a Câmara, ele foi a um posto da Polícia Militar para registrar um boletim ocorrência por desacato e difamação contra Geraldo Passos. Depois enviou à reportagem o número do documento: 2018036079233.

Pedido sob análise 

Ainda falta que Procuradoria da Câmara emita um parecer sobre o pedido feito por Geraldo. Quando isso for feito, os membros da CPI decidirão se a investigação será trancada ou se Edson será excluído da oitiva de Geraldo. O blogueiro afirma ao Agora que apresentará novas provas durante o depoimento dele à CPI.

— A situação não é como eles falam. Apresentarei um novo áudio, que inclusive já foi entregue ao Ministério Público. Também há prints de conversas pelo WhatsApp e cópias de documentos que darão uma reviravolta na investigação.

 

 

Comentários
×